Responsabilidade social no futebol

Por: Marcelo Linguitte
01 Julho 2007 - 00h00

Durante a Copa do Mundo da Alemanha, em 2006, o Brasil mostrou novamente sua paixão pelo futebol, torcendo, criticando e, desesperadamente, incentivando Parreira e seus jogadores. O resultado, infelizmente, não foi o que esperávamos. Mas, o futebol demonstrou, mais uma vez, sua influência sobre a vida dos brasileiros. Dois exemplos disso me impressionaram muito.
O primeiro foi o poder de mobilização que o esporte tem. Afinal, o país literalmente parava nos dias dos jogos da seleção. Um outro exemplo foi a capacidade que o futebol tem de trazer temas para a discussão pública. Nesse caso, o tema foi planejamento. Também no futebol, pouco planejamento significa fraco desempenho. O sucesso do São Paulo, tetracampeão brasileiro, e o do Internacional, campeão mundial interclubes, também ocorreram, segundo especialistas, por sua competência em se planejar.
Com essa característica de mobilização popular, fiquei pensando o quanto o futebol não poderia contribuir para a promoção da responsabilidade social empresarial (RSE) no Brasil, um país que precisa tanto de bons exemplos e de lideranças positivas. Essa possibilidade é muito concreta, já que há um bom número de exemplos de sucesso de como esse esporte pode promover a RSE. Alguns exemplos:
1) Em junho de 2006, durante o Congresso da Fifa, a chanceler alemã, Ângela Merkel, disse que a Federação Internacional de Futebol era “mais que um gigante do esporte, pois também reconhecia as suas responsabilidades sociais”. Seu presidente, Joseph Blatter, tem defendido muito o envolvimento da entidade com questões humanitárias;
2) O diretor técnico da União Européia de Futebol (Uefa), Andy Royburgh, acha que a entidade deve exercer sua responsabilidade social tentando melhorar a vida das pessoas por meio do futebol;
3) No Brasil, a Federação Paulista de Futebol mantém uma área de responsabilidade social, coordenada pelo ex-jogador Paulo Sérgio. O presidente da Federação de Futebol de Rondônia, Heitor Costa, crê que o futebol é um instrumento de transformação social, e desenvolve programas voltados a crianças e adolescentes em parceria com o governo do Estado;
4) O Atlético Paranaense e o Internacional também trabalham com o tema. O primeiro possui vários programas voltados à comunidade, e o outro publicou um balanço social em 2006;
5) Vários ex-jogadores de futebol têm se envolvido com projetos comunitários, criando organizações para isso, como Raí e Leonardo, do Instituto Gol de Letra, e Bebeto e Jorginho, do Instituto Bola pra Frente;
6) Empresas envolvidas com futebol, como fabricantes de produtos esportivos e patrocinadoras, têm estratégias específicas na área de RSE.

É animador ver que várias iniciativas nessa área já existem, mas elas ainda são muito poucas e não aproveitam todo o potencial do esporte na promoção desses temas. Uma razão para isso é que tais iniciativas não tratam o futebol como uma “cadeia de valor”, unindo os diversos segmentos interessados (clubes, esportistas, patrocinadores, fabricantes de material esportivo, jornalistas etc.), agregando esforços e competências. Segundo, porque as atividades desenvolvidas até hoje, apesar de extremamente importantes e meritórias, possuem, normalmente, um forte caráter assistencialista e não incorporam outros aspectos estratégicos da responsabilidade social. Daí, sua capacidade de transformação social fica limitada.
Creio que chegou o momento de levarmos a responsabilidade social de maneira intensa ao futebol. Isso é estratégico para o Brasil, pois um trabalho bem feito na promoção do tema fortalecerá a candidatura do país para a sede da Copa em 2014, já que a Fifa também está muito interessada no tema.
Além disso, devemos lembrar que 2015 é o limite para a realização dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, conjunto de metas sociais e ambientais definidas no âmbito das Nações Unidas. E ainda há muito por fazer para atingirmos as metas definidas. De hoje até 2015, são quase dez anos para que o futebol possa dar sua contribuição para o desenvolvimento sustentado do Brasil.
É hora de todos os setores envolvidos com o futebol arregaçarem as mangas e, de modo conjunto e planejado, desenvolverem ações concretas com vista ao desenvolvimento sustentável. Quem sabe o Brasil não faça de sua grande paixão um exemplo de cidadania e solidariedade. Aí, sim, seremos conhecidos não apenas como o país do futebol, mas como o país do futebol socialmente responsável.

Marcelo Linguitte. Diretor-gerente da Terra Mater Empreendimentos Sustentáveis.
EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.094
Oportunidades Cadastradas
9.565
Modelos de Documentos
3.051
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
22 Dez
2019
UNDEF - 2019 Call to Civil Society to Apply for Funding...
Prazo
20 Dez
2019
Concurso Anual para Jovens - Mulheres Rurais: inovando...
Prazo
17 Abr
2020
Conservation Grant - Amphibian Ark
Prazo
16 Dez
2019
Bikeducação: Edital Itaú para Seleção de Projetos...
Prazo
16 Dez
2019
ONU / FIDA - Concurso de Fotografia “Juventude e...
Prazo
17 Jan
2020
Cisco Global Problem Solver Challenge 2020
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

Cursos Relacionados

PARCEIROS VER TODOS