Responsabilidade Social Corporativa

Por: Fabiana Dias
01 Maio 2011 - 00h00

O atual contexto em que vivemos tem sido marcado por uma crescente exclusão social, pelo uso insustentável e predatório de recursos naturais e pela forte acumulação de renda. No entanto, já há uma ampla percepção de que o atual modelo econômico não é a melhor estrutura para basearmos as relações humanas e as relações com o ambiente. Hoje, fala-se em conceitos inovadores, como o da Felicidade Interna Bruta (FIB), empreendedores sociais têm sido reconhecidos como importantes geradores de valor para a sociedade, surgem negócios com finalidade lucrativa aliada à redução de pobreza e inclusão da população de baixa renda e há incipientes iniciativas de “paga-se quanto puder”.
Assim como os indivíduos têm enxergado cada vez com mais entendimento a importância de se comprometer com atitudes que sejam boas para si e para os outros, as empresas também têm assumido um papel significativo de compromisso com a sociedade e com o meio ambiente.
O conceito de cidadania – bastante fortalecido após um período de governos autoritários em diversos países em desenvolvimento, que têm base na ideia de direitos e deveres – transpôs a dimensão do indivíduo e também alcançou as empresas.
A compreensão de que a empresa é um ‘personagem do espaço comum’ e, por isso, deve comprometer-se com o desenvolvimento social, é ampliada com a ideia de sustentabilidade do negócio, porque a atenção com a sociedade implica sua sobrevivência, tanto no que se refere aos insumos de sua produção (relativo à questão ambiental) quanto ao mercado consumidor (relativo às questões sociais).
Evidentemente, as empresas, enquanto organizações de finalidade privada, devem gerar lucro, e não há nada de errado com isso. Pelo contrário, o resultado positivo da empresa é importante para empreendedores, acionistas, empregados, fornecedores e todos aqueles que estão no entorno dessa cadeia. A discussão pode se focar em que tipo de lucro e a que custo.
Essa ideia está dentro do contexto de desenvolvimento sustentável, que representa equilíbrio entre os pilares de desenvolvimento econômico, social e ambiental. Há muitas discussões sobre o posicionamento das empresas, questionando se de fato seu compromisso com a sociedade e o meio ambiente é apenas um recurso retórico para se tornarem mais humanas e conquistarem legitimidade. E esta é uma questão importante, porque deve haver coerência entre o discurso e a prática, por uma questão de ética e respeito com a sociedade e porque, do ponto de vista prático, falar o que não se pratica pode trazer um enorme prejuízo de imagem, de confiança e de resultados.
O fato de os consumidores estarem mais informados e mais críticos faz com que sejam mais participativos e assumam o papel de cobrar por comportamentos éticos e responsáveis das empresas. Isso tem mudado o perfil de consumo e pressionado uma mudança de prática nos negócios, especialmente após a recente crise econômica mundial.
Assim, a responsabilidade social empresarial é uma forma de assumir compromissos com o coletivo e gerar benefícios não só para os donos da empresa, mas para toda a sociedade. Este conceito vem evoluindo. Já se definiu por doações e filantropia, já se discutiu a ideia de reverter lucros para a comunidade, e mesmo de diminuir impactos ao ambiente. Essas discussões colocavam a empresa num papel muito restrito e não eram capazes de dimensionar adequadamente todos os seus relacionamentos.
No Brasil, muitas organizações têm se dedicado a esse tema, mas uma das mais notórias delas, o Instituto Ethos, tem fomentado a discussão sobre o conceito e a adequação de práticas a cada tipo e tamanho de negócio. Uma definição muito clara sobre o que é responsabilidade social corporativa é dada pelo Ethos:
“Responsabilidade social empresarial é a forma de gestão que se define pela relação ética, transparente e solidária da empresa com todos os públicos com os quais ela se relaciona – acionistas, funcionários, prestadores de serviço, fornecedores, consumidores, clientes, comunidade, governo, sociedade e meio ambiente – e pelo estabelecimento de metas empresariais compatíveis com o desenvolvimento sustentável da sociedade, de forma a preservar recursos ambientais e culturais para gerações futuras, respeitar a diversidade e promover a redução das desigualdades sociais”.
Essa definição amplia o entendimento do papel da empresa e considera uma quantidade maior de relacionamentos fundamentais que ela estabelece. Assim, a política de responsabilidade social (ou socioambiental) de uma empresa começa a ser construída a partir da definição de seus valores e de sua forma de governança. Discute sua postura e suas práticas com colaboradores (empregados ou prestadores de serviço), fornecedores, clientes, com a comunidade do entorno e com o meio ambiente, e também se coloca diante da relação com o poder público e a sociedade de forma ampla.
Assim, falamos de práticas éticas, de uma atitude estratégica, de geração de valor para a sociedade e da capacidade de tornar-se agente de uma nova cultura, em que as empresas não restringem sua preocupação apenas ao seu próprio crescimento financeiro. E isso exige um repensar de todo o negócio.
O ideal é que a responsabilidade social corporativa deixe de ser um programa e passe a formar um conjunto de valores que ilumine todas as suas práticas. E que a empresa se avalie e demonstre com clareza os resultados e os impactos de sua postura.
Há muitos benefícios para a empresa e para a sociedade. A responsabilidade social corporativa contribui, por exemplo, para a preservação e uso correto de recursos naturais, para a redução da desigualdade e para a promoção da diversidade. E o negócio se beneficia com a valorização da imagem institucional, com o reconhecimento e fidelidade do cliente, com o aumento da motivação da equipe, com a facilidade de atrair e reter talentos e, ainda, com o acesso a diferentes capitais e mercados.
Mas talvez o maior benefício para o negócio seja a longevidade da empresa e a capacidade de deixar um legado positivo para a sociedade. Qual será a sua escolha?
O ideal é que a responsabilidade social corporativa deixe de ser um programa e passe a formar um conjunto de valores que ilumine todas as suas práticas

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
14.822
Oportunidades Cadastradas
9.564
Modelos de Documentos
3.008
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
19 Nov
2019
13º Prêmio Ozires Silva de Empreendedorismo Sustentável
Prazo
24 Nov
2019
Lab Cidadania
Prazo
25 Nov
2019
UNESCO World Heritage Volunteers (WHV 2019) – Let’s...
Prazo
29 Nov
2019
11º Edital SulAmérica Para Apoio a Projetos Sociais
Prazo
15 Dez
2019
SUEZ - Institut de France Award 2019-2020
Prazo
20 Dez
2019
Programa VOA
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

Cursos Relacionados

PARCEIROS VER TODOS