Rede de fornecedores socialmente responsáveis

Por: Livio Giosa
01 Novembro 2007 - 00h00

Cada vez mais, as práticas da responsabilidade social corporativa se disseminam no âmbito das empresas, em todos os setores e localidades. Micros, pequenas, médias e grandes companhias se envolvem, a seu tempo, jeito e recursos, buscando aplicar as regras já consolidadas e que refletem as iniciativas em prol do atingimento da causa e da inclusão social junto aos públicos com que se relacionam, e, em especial, os colaboradores e as comunidades.

As pressões do mercado, a percepção do cliente cada vez mais consciente e o posicionamento claro da sociedade a favor da ética e da cidadania corporativa colocam as empresas voltadas para cumprir seus compromissos e desenvolvimento prolongado do seu negócio sob a visão da justiça social e do equilíbrio ambiental, por meio do conceito da sustentabilidade.

Assim, o engajamento sobre este tema de toda a cadeia produtiva de qualquer empresa em qualquer setor se torna inevitável. Um dos ícones deste processo é a criação da rede de fornecedores socialmente responsáveis. Cada empresa deve introduzir essa pauta nas negociações diretas com seus fornecedores, encorajando-os e motivando-os a se organizarem à luz deste novo olhar social e sustentável.

Algumas etapas, a partir desta decisão superior da organização, poderão ser desenvolvidas, entre elas:

• a comunicação oficial aos fornecedores indicando que, a partir deste momento, a empresa recomendará que os seus fornecedores deverão cumprir práticas socialmente responsáveis;

• definição de um período de tempo para o fornecedor/parceiro se adaptar a estas iniciativas;

• montagem de palestras e workshops de sensibilização e motivação junto aos grupos de fornecedores;

• distribuição de textos diversos, incluindo conceitos e práticas que geram a exemplaridade;

• montagem de indicadores de desempenho que possam avaliar o interesse e envolvimento dos fornecedores a respeito do tema e para acompanhamento de todo o processo;

• disseminação de programas de voluntariado entre o corpo de colaboradores das empresas parceiras;

• disseminação de pesquisa sobre participação em práticas sociais e/ou ambientais, junto aos públicos envolvidos, mas que garantam a sua aplicabilidade na “rede”;

• informação ao conjunto dos fornecedores participantes que, no momento, as novas solicitações de empréstimos aos bancos somente serão aprovadas quando estiverem documentadas as práticas sociais e ambientais, por meio do relatório e/ou balanço social.

Com essas dicas, dentre outras, a empresa estará preparada para a prática social, na certeza de que cada vez mais esta contribuição gerará um valor inegável na cadeia produtiva, disseminando o conceito do mercado do bem e sustentável.

O posicionamento da sociedade a favor da ética e da cidadania corporativa colocam as empresas voltadas para cumprir seus compromissos sob a visão da justiça social e do equilíbrio ambiental

Lívio Giosa. Vice-presidente da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB) e coordenador-geral do Instituto ADVB de Responsabilidade Social (Ires).
EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
19.064
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.404
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
30 Jun
2020
Linha emergencial de crédito Conexsus
Prazo
Patrocínio BS2
Prazo
31 Jul
2020
GlobalGiving Accelerator - Virtual Training Program...
Prazo
30 Nov
2020
Stop Slavery Award 2021
Prazo
31 Jul
2020
AEB - Chamamento Público para lançamentos a partir...
Prazo
4 Set
2020
Ideias para o Futuro
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
1 Ago
2020
Todos os olhos na Amazônia
Prazo
1 Ago
2020
The IFREE Small Grants Program
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

PARCEIROS VER TODOS