Entidades sociais podem adotar o regime de banco de horas diretamente com seus empregados?

Por: Revista Filantropia
01 Maio 2008 - 00h00
Por serem empregadoras, as entidades podem adotar o regime de banco de horas, vigente a partir danbsp; lei nº 9.601/98. Trata-se de um sistema de compensação de horas extras mais flexível, mas que exige instrumentos formais de negociação coletiva, possibilitando à empresa/entidade adequar a jornada de trabalho dos empregados às suas necessidades de produção e demanda de serviços. Não se admite que tal regime seja pactuado pela empresa/entidade diretamente com o empregado, uma vez que é essencial acordo ou convenção coletiva, conforme recente entendimento da 3ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho, que considera que o banco de horas atende mais ao interesse da empresa do que ao do trabalhador. A 3ª Turma entende que o mecanismo de compensação de horas, se usado por um período muito longo, pode provocar danos à saúde e à segurança do profissional, ao contrário das ferramentas de compensação imediata, de impacto mais favorável ao trabalhador.

Conteúdo Relacionado

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
22.766
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
4.060
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
3 Mai
2021
25º Concurso Inovação no Setor Público
Prazo
26 Abr
2021
15º Edital Funcultura Audiovisual
Prazo
Contínuo
Super Desafio COVID-19 - Startups
Prazo
21 Mai
2021
Projetos Sociais por Leis de Incentivo 2021
Prazo
14 Mai
2021
Edital de Seleção - Projetos Sociais
Prazo
11 Mai
2021
Prince Claus Seed Awards 2021
Prazo
10 Mai
2021
Para Mulheres na Ciência 2021
Prazo
Contínuo
Adobe Creative Residency Community Fund
Prazo
17 Mai
2021
PhotoContest 2021
Prazo
23 Mai
2021
9ª Convocatoria de Ayudas

PARCEIROS VER TODOS