Como melhorar a gestão dos projetos realizados em parceria entre empresas e ONGs

Por: Fábio Rocha
01 Maio 2007 - 00h00

Não existem dúvidas a respeito da dimensão e da importância das ações, projetos e investimentos sociais realizados pelos setores privado e não-governamental no Brasil. Estima-se que ambos totalizem mais de 2,5% do PIB do país.
Este cenário também propicia uma movimentação bastante comum, anterior ao crescimento do movimento de responsabilidade social empresarial no Brasil, que é o da realização de parcerias entre o setor privado e o Terceiro Setor, sendo este último muitas vezes representante da comunidade em que o projeto será realizado (associação de moradores, grupos locais) ou o próprio público-alvo da ação (ONG ambientalista, direcionada à terceira idade, voltada para o segmento cultural, entre outras).

A maior preocupação, já discutida em trabalhos, pesquisas e artigos acadêmicos, é que muitas empresas têm demonstrado insatisfação na qualidade destas relações e, principalmente, com o amadorismo que costumeiramente permeia a gestão das instituições sem fins lucrativos.
Este contexto tem reforçado a idéia no setor privado de que a solução é o fortalecimento de suas fundações privadas e/ou a criação das suas próprias organizações não-governamentais – hoje, muito bem representados pelos institutos, o que fragiliza as organizações não-governamentais de base ou da sociedade civil organizada.

Muitas instituições são apoiadas por uma mesma empresa há mais de cinco anos e estão cada vez mais dependentes e fragilizadas, da mesma maneira que a ineficiência e o desperdício de recursos também crescem quando os volumes transacionados são maiores

Vale lembrar que o verdadeiro Terceiro Setor brasileiro não se assemelha às características presentes pelas instituições associadas ao Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (Gife) ou por instituições que estão na mídia e são exceções nos aspectos de profissionalização da gestão como, por exemplo, Instituto Ayrton Senna, Viva Rio, Obras Sociais Irmã Dulce, Ibase, Fundação Gol de Letra, entre tantas outras.
A palavra “verdadeiro” aqui significa o sentido de grande parte das instituições que integra o setor e não de apropriação indevida de personalidade jurídica ou de representação do setor.
Assim, a maioria das ONGs brasileiras, independente das polêmicas conceituais presente nas comunidades, tem as seguintes características:
• Domínio da sua atividade-fim;
• Criatividade;
• Capacidade de trabalhar com o imprevisto;
• Compromisso com a causa social;
• Atividades assistenciais;
• Deficiência crônica na estrutura de gestão;
• Amadorismo;
• Indefinição de foco;
• Inexistência ou deficiência no planejamento estratégico e/ou operacional;
• Pouca representatividade;
• Processo de decisão lento e centralizado;
• Inexistência e/ou deficiência do sistema de informações;
• Falta de sensibilização de pessoal para o trabalho voluntário;
• Processo de decisão lento e centralizado;
• Falta de recursos humanos e materiais, como também de um sistema administrativo;
• Influência político-partidária;
• Nível de escolaridade inadequado para o exercício do papel dos gestores;
• Inexistência e/ou deficiência na área de comunicação/marketing.

Dependência
Diante deste panorama, podemos destacar que as principais dificuldades destas instituições referem-se aos aspectos de gestão, o que compromete muito o atual modelo de parceria empresa-Terceiro Setor, excessivamente concentrado no repasse de recursos financeiros e com pouca presença de ações de desenvolvimento institucional.
Portanto, muitas destas instituições são apoiadas por uma mesma empresa há mais de cinco anos e estão cada vez mais dependentes e fragilizadas, da mesma maneira que a ineficiência e o desperdício de recursos também crescem quando os volumes transacionados são maiores. Em outras palavras, quem gerencia de maneira pouco eficiente a quantia de
R$ 10 mil terá problemas gerenciais muito maiores com R$ 100 mil.

Precauções
Com este quadro, no intuito de maximizar a riqueza destas relações de parceria e o quão positiva para ambas ela pode ser, seguem abaixo algumas sugestões de mudanças neste modelo de conexão. São elas:
• Parcerias devem ter objetivos claros;
• Cada projeto precisa ter início, meio e fim determinados;
• O envolvimento da empresa com a organização não-governamental e o projeto jamais pode ser baseado em mero repasse de recursos;
• Durante o projeto, deverão ser formados multiplicadores internos na ONG parceira para dar continuidade às ações realizadas;
• É fundamental que o enfoque seja dado a partir de uma organização não-governamental que não seja beneficiária do processo e, sim, um agente ativo na parceria, inclusive com a obrigação de oferecer uma contrapartida real (mobilização da comunidade, disponibilização de voluntários etc.), evitando relações de simples patrocínio;
• Definir como condição desejável ao repasse/apoio da empresa uma ação específica na área de gestão e/ou treinamento gerencial, que pode ser executado até por uma terceira instituição, como, por exemplo, uma consultoria ou alguma universidade;
• Buscar a união nas ações de negócio da empresa e ação social (domínio do negócio), ou seja, aproveitar a expertise da empresa para os projetos sociais;
• Definição de estrutura própria na empresa para a área social e/ou parceria com entidades especializadas;
• Estimular, apoiar, desenvolver e priorizar que seus gestores e colaboradores exerçam o chamado voluntariado do conhecimento (orientação técnica nos aspectos de gestão, apoio na captação de recursos e na articulação de outros parceiros, construção de sites, elaboração de um plano de comunicação etc.);
• Conceber e negociar com a entidade parceira um sistema de avaliação da parceria e/ou do projeto (indicadores de resultados).

Não há dúvida da existência de muitas destas características em alguns modelos de gestão da atuação social externa de algumas empresas, mas ainda são exceções. A melhoria da relação da empresa com esse stakeholder (parte interessada) tão importante é apenas um dos capítulos da extensa agenda da responsabilidade social empresarial.
Mas, com certeza, é uma alternativa melhor do que criar um braço social da empresa (uma outra personalidade jurídica) e desconsiderar os trabalhos sociais já realizados pelo setor não-governamental.


Fábio Rocha. Sócio-diretor da Damicos Consultoria e Negócios.
EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
19.064
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.404
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
30 Jun
2020
Linha emergencial de crédito Conexsus
Prazo
Patrocínio BS2
Prazo
31 Jul
2020
GlobalGiving Accelerator - Virtual Training Program...
Prazo
30 Nov
2020
Stop Slavery Award 2021
Prazo
31 Jul
2020
AEB - Chamamento Público para lançamentos a partir...
Prazo
4 Set
2020
Ideias para o Futuro
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
1 Ago
2020
Todos os olhos na Amazônia
Prazo
1 Ago
2020
The IFREE Small Grants Program
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

PARCEIROS VER TODOS