Como desenvolver uma estratégia de Captação de Recursos

Por: Por Valeuska de Vassimon
01 Novembro 2003 - 00h00
p>Com este tema, o diretor-executivo da organização mundial Resource Alliance, Simon Collings, explicou aos participantes da conferência realizada em São Paulo a importância de as ONGs estabelecerem objetivos a longo prazo.

Segundo ele, a estratégia de captação de recursos deve fazer parte do planejamento global da entidade. Contar com o apoio dos funcionários e voluntários foi outra dica sugerida pelo diretor britânico.

Na opinião dele, com a adoção do plano apresentado em sua palestra, a ONG consegue focalizar as próprias ações; criar sinergia entre as diferentes atividades a que se dedica, além de maximizar o retorno dos investimentos; gerenciar os possíveis riscos e promover sustentabilidade financeira. No entanto, alerta ainda que, antes de iniciar o processo, a instituição precisa comunicar de forma transparente sua missão e objetivos e definir quem será o responsável pela área.

De acordo com a estratégia, há seis etapas a se seguir, lembrando que o processo é dinâmico e requer, portanto, a análise e a avaliação das entidades.

1a fase – Tornar claros os objetivos e necessidades da organização

As ONGs devem se pautar pela própria missão e definir o que querem alcançar nos próximos cinco anos, além das necessidades financeiras para tal, incluindo quanto e em quê irão investir e quais seriam os custos essenciais.

2a fase – Análise interna e externa

A primeira objetiva verificar quais são as atividades mais eficazes e aquelas que não o são. Para tanto, Collings indica alguns instrumentos, como a “Análise Fofa”, que define ameaças, oportunidades, os pontos fortes e fracos, ou a “Análise Pest”, que permite conhecer o ambiente no qual a entidade está inserida, apontando tendências que possam influir no desenvolvimento das ações e atividades.

A análise externa, por sua vez, tem o intuito de compreender o contexto político, econômico, social e as tendências tecnológicas da sociedade, ainda percebendo as ações das entidades com fins parecidos.

3a fase – Gerando idéias

O diretor afirma que é necessário, em tal fase, levar em consideração todas as sugestões de ONGs parceiras e de funcionários e voluntários. As organizações também precisam adaptar idéias do setor comercial e ficar atentas às informações veiculadas nos meios de comunicação sobre ações que podem servir de exemplo.

4a fase – Selecionando o portfólio

Nesse momento, devem-se avaliar todas as atividades oferecidas pela instituição e escolher quais realmente são apropriadas e estão ligadas à missão. “É importante que o portfólio traga, além das atividades que garantem a sustentabilidade da entidade, novas ações e tecnologias, buscando ampliar o número de ações efetivas oferecidas”, diz Collings.

5a fase – Planejando e definindo os recursos necessários

Já aqui, o executivo sugere fazer planos de atividades com cronograma. É preciso que as entidades definam as capacidades que precisam ser desenvolvidas e verifiquem se as ações estão dentro do previsto no orçamento e fluxo de caixa, além de fazer uma análise de riscos com a intenção de antecipar os possíveis problemas que podem ocorrer durante as atividades e definir estratégias de como resolvê-los.

6a fase – Monitoramento

A fase final trata do monitoramento de tudo o que foi realizado até então. Simon esclarece que o objetivo é manter um ciclo de análise constante e utilizar o que foi aprendido no processo: “É preciso buscar metodologias que melhorem as atividades. A organização deve parar por um tempo, mesmo que um ano depois do início desse processo, e refletir sobre tudo isso, principalmente sobre suas ações”.

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

PARCEIROS VER TODOS