O fator emoção na captação de recursos

Por: Filipe Ribeiro Dantas
19 Maio 2022 - 00h00

9828-abertura

Cenas de crianças e jovens se divertindo em poças de lama se alternam com as de um conhecido SUV que atravessa trilhas desafiadoras. Ao fundo, a envolvente trilha sonora evoca um forte sentimento humano: “Pra sempre jovem, eu quero ser pra sempre jovem!”. Extensos detalhes técnicos do carro foram anunciados? Estatísticas sobre a boa aceitação do produto no mercado são estampadas na tela? Não. Apenas imagens e melodia capazes de emocionar os potenciais consumidores que assistem ao comercial. Nos dias e semanas seguintes, muitos deles comprarão aquele carro “dos sonhos”.

Emoção leva à ação: estratégia de marketing

O exemplo da propaganda acima é um entre a maioria dos apelos comerciais que vemos todos os dias nos meios de comunicação. Estes procuram sempre tocar emocionalmente o possível consumidor, estimulando suas lembranças, desejos, sensações e percepções que o levam a se identificar com o produto anunciado. Por trás daquele comercial existem, portanto, estratégias estudadas e elaboradas por profissionais de comunicação e marketing que visam exatamente isto: tocar o coração do comprador. Esses especialistas sabem que, mais do que a razão, é a emoção que levará o espectador à decisão de adquirir a marca que estão vendendo.

Importante fator na captação de recursos

O mesmo princípio se aplica à captação de recursos promovida pelo Terceiro Setor. Estudos comprovam que o potencial contribuinte de uma ONG se tornará um doador regular e fiel, movido, em grande medida, por uma decisão emocional. Ele se deixa sensibilizar pela causa proposta pela entidade, pela carência do próximo que necessita de ajuda urgente, pelo socorro imediato a ser prestado a animais desvalidos ou ao meio ambiente ameaçado. Uma vez sensibilizado, o possível doador se identifica com os objetivos da entidade, abraça o desafio e decide dar seu apoio.

Esse processo de sensibilização e persuasão opera-se por meio dos chamados “gatilhos emocionais”, que desencadeiam a resposta positiva do doador. Saber usar esses gatilhos em uma comunicação de fundraising bem elaborada é muito importante para o sucesso de uma campanha. Como afirma Tom Ahern, em seu livro “What your donors want... and why!”, se a comunicação da ONG souber usar alguns desses elementos, ela terá 95% do necessário para escrever apelos eficazes de arrecadação de fundos, boletins informativos para doadores e páginas de doações em seu site.

Principais gatilhos

Importantes recursos persuasivos, comumente usados para convencer pessoas a tomarem decisões, os gatilhos emocionais funcionam ativando fatores preexistentes no cérebro humano. Na sua obra, Ahern elenca alguns dos principais, entre eles:

  • Raiva: “Como você pode matar um golfinho? Estou furioso com isso. Por que coisas assim continuam acontecendo? Gostaria que alguém fizesse algo a respeito”. Enfatizar a urgência da solução ajuda a impulsionar a resposta em apelos baseados na raiva.
  • Dever: “Isto é o que pessoas como eu fazem. Se eu não fizer isso, quem o fará?”.
  • Medo: “Será que meus netos ainda vão conseguir respirar um ar saudável?”
  • Culpa: “Eu gostaria de não ter feito isso”. Com esse pensamento nasce um vínculo vitalício para apoiar determinada causa.
  • Esperança: Doadores compram esperança, e esperança é o que a ONG vende. A maioria das instituições de caridade resolve problemas. Seja qual for a causa, a filantropia vende esperança de que a situação possa ser remediada, consertada, amenizada, mudada, melhorada.

Princípios-chave da persuasão

Diversos outros sentimentos podem mover o possível doador a fazer sua contribuição para a campanha da ONG. Quanto mais gatilhos emocionais forem abordados na linguagem de comunicação, maiores serão as chances de conquistar novos colaboradores.

Citando o conceituado Robert Cialdini, autor do best-seller “As armas da persuasão” (em português), Tom Ahern menciona também os princípios-chave de influência que interferem diretamente no comportamento humano e servem de ferramenta para atrair um doador. Por exemplo: a reciprocidade, que leva as pessoas a retribuírem um favor; o comprometimento, que nos faz honrar o compromisso assumido; a afeição, pela qual favorecemos uma instituição de caridade preferida; ou, ainda, a aprovação social, que nos leva a copiar o comportamento de pessoas caridosas que admiramos.

Saber contar histórias

Cabe, pois, à instituição filantrópica construir sua estratégia de comunicação e oferecer ao potencial doador esses elementos que o emocionem e cativem sua atenção. Nesse intuito, vale explorar vídeos, fotos, imagens, mensagens bem elaboradas e, especialmente, histórias comoventes. Saber contar boas histórias — o chamado storytelling — é fundamental na captação de recursos. Elas sensibilizam e movem de maneira eficaz o coração do indivíduo propenso a doar para uma causa.

Mais emoção, menos estatísticas

A conclusão é clara: campanhas de fundraising bem-suce-
didas são aquelas que envolvem sentimentalmente o potencial doador, falando mais ao seu coração do que à sua razão. Mais emoção e menos estatísticas, como frisam os especialistas: “Uma entidade social precisa ter vendedores de ideias que fujam da comunicação tradicional, não destacando apenas dados estatísticos ou tratando a doação como um produto, pois este processo é extremamente racional e não gera o envolvimento para uma tomada de ação por parte das pessoas” (Daniela Dias, Instituto Paulista de Programação NeuroLinguística).

Criando esse vínculo emocional com o colaborador, a ONG despertará nele não só o desejo de doar, mas também o sentimento prazeroso de fazer parte da causa que ele apoia. O engajamento dele será maior e, consequentemente, maiores serão a regularidade e o valor de suas doações.

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

PARCEIROS VER TODOS