Reaproveitar para combater o desperdício

Por: Instituto Filantropia
15 Abril 2013 - 20h45

Grandes ou pequenas, mais ou menos abrangentes, ações voltadas a combater qualquer tipo de desperdício vêm se espalhando como rastilho de pólvora em todo o Brasil

Nos últimos anos, empresas e entidades sem fins lucrativos têm se engajado em diversos tipos de projetos e programas com a intenção de reutilizar. As opções são diversas, indo do reaproveitamento de alimentos ao recolhimento de eletrônicos, pilhas e baterias de celulares.
Em maior escala, encontram-se também ideias bem boladas, como a fabricação de materiais compostos utilizando pneus para complementar a mistura da massa asfáltica e entulho na composição de blocos.
A Ecovias, por exemplo, já utiliza asfalto borracha (ou ecológico) produzido por usina própria em 70% dos 176,8 km de extensão do Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI), do qual é concessionária. De 2002, quando iniciou os testes, para cá, já retirou 317 mil pneus em desuso da natureza.
A borracha dos pneus triturados é misturada à massa asfáltica, a qual se acrescenta também brita e cal, produzindo um concreto asfáltico cerca de 40% mais resistente que o produto convencional em relação a trincas e deformações.
“O material provoca menos ruídos e tem maior aderência, fator que diminui a possibilidade de derrapagem e reduz o spray causado pelos pneus dos veículos em dias de chuva, além de maior conforto e segurança aos usuários”, explica Paulo Rosa, assessor de projetos especiais da concessionária.
A usina da Ecovias tem capacidade para produzir até 140 toneladas de material por hora, o suficiente para asfaltar aproximadamente 330 metros de uma faixa de rodagem de 5 centímetros de espessura.
Além das rodovias do SAI, por onde circulam 30 milhões de veículos anualmente, o asfalto borracha também está presente em alguns trechos das rodovias SP 070 (Ecopistas), BR 277 (Ecocataratas), BR 277 (Ecovia) e BR 116 (Ecosul), que fazem parte do Grupo Ecorodovias.
Eletrônicos
Outro gargalo que vem engolindo o meio ambiente está na complicada destinação de eletrônicos e seus componentes, itens cada vez mais comuns na vida dos brasileiros. São milhões de toneladas de microcomputadores, impressoras, TVs, rádios, celulares e baterias de lítio e pilhas, entre outros, descartadas anualmente, em terrenos baldios, córregos, esgotos, lagoas e até no mar.
Ações para impedir parte do problema estão tomando corpo também em alguns setores do setor público. No início de setembro de 2012, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) fixou normas para controle, uso, descarte, transporte e reciclagem de pilhas e baterias.
O objetivo é impedir que este tipo de material, composto por substâncias perigosas à saúde e ao meio ambiente, como mercúrio, cádmio, chumbo, zinco-manganês e alcalino-manganês, cheguem à natureza.
Com as novas regras do Ibama, o material deve ser descartado em coletas seletivas próprias, geralmente encontradas em postos de venda e em fábricas. Nesses locais, os recipientes de lixo destinados a pilhas e baterias devem apresentar um símbolo para facilitar a coleta e evitar a mistura com outros resíduos.
Ainda na seara do lixo eletrônico, há iniciativas bastante positivas. Desde o final de 2009, a Universidade de São Paulo (USP) mantém o Centro de Descarte e Reúso de Resíduos de Informática (Cedir), que implementa práticas de reúso e descarte sustentável de lixo eletrônico, incluindo bens de informática e telecomunicações obsoletos. O local fica em um galpão de 400 metros quadrados e pode receber entre 500 e 1.000 equipamentos por mês.
O engajamento se torna ainda mais forte quando existem parcerias envolvidas, como a promovida entre a USP e o Instituto GEA, OSCIP ligada ao desenvolvimento da cidadania e da educação ambiental sediada na cidade de São Paulo que assessora a população a implantar programas de coleta seletiva de lixo e reciclagem.
Em novembro de 2012, por exemplo, formaram 182 catadores de 63 cooperativas de cidades paulistas e mineiras, que participaram do Projeto Eco-Eletro, ocasião em que foram capacitados a processar a reciclagem de resíduos eletrônicos. Realmente são números robustos para um país que ainda engatinha no reaproveitamento de materiais eletrônicos.
A professora Tereza Cristina Carvalho, assessora de projetos especiais da Coordenadoria de Tecnologia da Informação (CTI) da USP, explica que na maioria dos casos, por falta de informação, os catadores descartam da reciclagem componentes preciosos, como as placas, pois ignoram seu valor comercial. “Sem esse cuidado, esse material acabará em um lixão, algo bastante problemático, pois muitos desses materiais são poluentes”.
Outro projeto do Instituto GEA, o Programa Eco Reciclagem, de coleta seletiva, vem sendo desenvolvido no Shopping Pátio Higienópolis. Lançado em abril do ano passado, já mandou 104 toneladas de materiais para reciclagem, que foram doadas à Cooperativa de Catadores Nova Esperança com o objetivo de elevar significativamente a renda dos seus cooperados.
“Estamos bastante esperançosas com a implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Promulgada em 2010, a lei deu prazo de quatro anos para que as empresas, os governos municipais e a população se ajustassem. Se em 2014 ela for realmente colocada em prática, teremos um grande avanço na coleta seletiva no país”, argumenta a presidente do Instituto GEA, Ana Maria Domingues Luz.
Desperdício de alimentos
Um dos principais problemas enfrentados em boa parte do mundo, quando a fome assola milhões de pessoas, o desperdício de alimentos vem sendo combatido em diversas frentes. São campanhas pelo aproveitamento máximo dos produtos, de partes que antes iam para o lixo, mas que podem fazer a diferença nutricional no cardápio das famílias de baixa renda.
Segundo o Banco de Alimentos, ONG fundada em 1998 pela economista Luciana Chinaglia Quintão e que atua sob o conceito de “Colheita Urbana”, o volume de alimentos jogados no lixo diariamente poderia matar a fome e reverter a carência nutricional de milhões de pessoas.
“O Brasil é o quarto maior produtor mundial de alimentos, com 126% das suas necessidades alimentícias. De toda essa riqueza, desperdiçam-se 26,3 milhões de toneladas de alimentos ao ano, o suficiente para alimentar 35 milhões de brasileiros por mês. Somente em hortaliças são desperdiçados, por pessoa e anualmente, 37 quilos, ou seja, cerca de 35% de todas as hortaliças que produzimos”, ressalta.
A entidade, que atende atualmente 51 instituições sociais e aproximadamente 22 mil pessoas, distribui alimentos fornecidos pelas empresas doadoras entre as instituições beneficentes cadastradas, possibilitando a complementação alimentar de todas as pessoas assistidas pelas instituições. Cerca de 5 milhões de refeições já foram complementadas.
Basicamente, a ONG trabalha pelo aproveitamento de partes não convencionais dos alimentos, como folhas de cenoura, beterraba, batata doce, nabo, couve-flor, abóbora, mostarda, hortelã e rabanete; cascas de batata inglesa, banana, tangerina, laranja, mamão, pepino, maçã, abacaxi, berinjela, beterraba, melão, maracujá, goiaba, manga, abóbora, além de talos de couve-flor, brócolis e beterraba; entrecascas de melancia e maracujá; sementes de abóbora, melão e jaca; nata; pés e pescoço de galinha; e tutano de boi. Essas partes dos alimentos fornecem muito mais nutrientes do que as convencionais. A casca da laranja tem 604% mais fibras do que a polpa, enquanto a rama da cenoura possui 306% mais cálcio do que o próprio legume.
O esquema logístico de busca, coleta, transporte e limpeza dos alimentos funciona como relógio. Após a doação daquilo que não foi vendido, mas está em perfeitas condições de consumo, os alimentos vão direto para instituições receptoras, levados por veículos adaptados para o transporte de alimentos.
A distribuição é realizada levando-se em consideração as características de cada instituição, como número de pessoas e público atendidos, seja albergue, hospital, casa de apoio, associação de adolescentes, asilo ou creche. De acordo com a ONG, as distribuições ocorrem preferencialmente à tarde, no mesmo dia da coleta, uma vez que hortifrutis são altamente perecíveis e a entidade não estoca alimentos industrializados.
Ao desperdiçarmos toneladas de alimentos diariamente, contribuímos para a degradação econômica e social do nosso país, prejudicando a saúde de milhões de pessoas, cidadãos que sofrem com a irracionalidade do desperdício.
Independentemente do tipo de programa que ajude a evitar o desperdício de alimentos, o descarte inadequado de equipamentos e de materiais poluentes, é certo que a visão sobre a importância de medidas dessa magnitude se torna cada vez mais presente no dia a dia do brasileiro, assim como já ocorre há muito tempo no exterior.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
11.149
Oportunidades Cadastradas
8.465
Modelos de Documentos
2.439
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
20 Fev
2019
II Festival Internacional de Teatro Sapucaia - FITS...
Prazo
19 Fev
2019
Prêmio Diogo de Vasconcelos 2018-2019
Prazo
30 Dez
2019
Wildlife Acoustics Scientific Product Grant
Prazo
22 Jul
2019
Fruit Attraction 2019
Prazo
26 Ago
2019
Israfood 2019
Prazo
4 Jun
2019
WorldFood Istanbul 2019
Prazo
28 Mar
2019
THAIFEX - World Food Asia 2019
Prazo
28 Fev
2019
ECHANGEUR22 - Residência Arte Contemporânea
Prazo
13 Mai
2019
Fund for Investigative Journalism’s
Prazo
15 Mar
2019
Apoio a Projetos – Brumadinho e Região
Prazo
22 Fev
2019
Next Step - Programa de Estágio do Google
Prazo
28 Fev
2019
FAPESP-CONFAP-JPI Oceans 2018
Prazo
28 Fev
2019
Prêmio ABC 2019
Prazo
1 Mar
2019
FAPESP - Pesquisa para o SUS - gestão compartilhada...
Prazo
13 Mar
2019
Women as agents of change in the Americas
Prazo
31 Mar
2019
World of Difference Awards 2019
Prazo
12 Abr
2019
FAPESP - University of Birmingham e University of Nottingham...
Prazo
12 Abr
2019
Escola de verão sobre economias latino-americanas
Prazo
30 Abr
2019
Prize on Education for Sustainable Development - ESD...
Prazo
31 Mai
2019
UN Young Champion of the Earth
Prazo
31 Dez
2019
Project Grants
Prazo
24 Fev
2019
4ºEdição do Prêmio Literário UCCLA - Novos Talentos,...
Prazo
28 Fev
2019
Prêmio de Inovação para Alimentação e Agricultura...
Prazo
10 Mar
2019
Scholarships 2019
Prazo
28 Fev
2019
5ª Mostra Pajeú de Cinema
Prazo
10 Mar
2019
The Next Generation 2019
Prazo
29 Abr
2019
Chamada de Propostas SPRINT - Edição 1-2019
Prazo
31 Mai
2019
Prêmio Mercosul - 2018
Prazo
Contínuo
Chamada Pública BRDE/FSA – Coprodução InternacionaL...
Prazo
28 Fev
2019
Seleção de projetos de Patrimônio Cultural – Segurança...
Prazo
17 Mar
2019
Semana Nacional de Museus
Prazo
31 Mai
2019
Selo Agro + Integridade 2019-2020
Prazo
18 Fev
2019
Call for Proposals Brazil 2019
Prazo
7 Mar
2019
Curso de Desarrollo de Proyectos Cinematográficos...
Prazo
Contínuo
Bolsa de Pesquisa no Exterior - BPE
Prazo
Contínuo
Patrocínio Net Claro Embratel
Prazo
4 Mar
2019
Empreendedorismo Social 2019
Prazo
Contínuo
Seleção de Projetos de Incentivo à Cultura - Lei...
Prazo
Contínuo
Seleção de Projetos de Incentivo ao Esporte - Lei...
Prazo
Contínuo
Bolsa de Pós-Doutorado
Prazo
18 Fev
2019
Liderando desde el Sur
Prazo
22 Fev
2019
Apoio à produção de inventários de Avaliação...
Prazo
28 Fev
2019
Jamnalal Bajaj International Award
Prazo
2 Mar
2019
Edital – Onde foi que eu errei?
Prazo
2 Mar
2019
Edital – Quebrando o silêncio
Prazo
8 Mar
2019
Photography Competition - 2019
Prazo
13 Mar
2019
CNPq - Gerência Regional de Brasília - FIOCRUZ
Prazo
30 Abr
2019
Premio Por La Paz
Prazo
3 Mai
2019
Design Competition - 2019
Prazo
3 Mai
2019
Advertising Competition - 2019
Prazo
6 Mai
2019
Programa de Paisagens Produtivas Ecossociais
Prazo
1 Out
2019
LGBTI Projects Funding
Prazo
1 Mar
2019
30º Concurso Literário Internacional de Poesias,...
Prazo
1 Mar
2019
Internet Freedom Fund
Prazo
30 Jun
2019
Maypole Fund - Women to Proactively Challenge Patriarchy
Prazo
9 Out
2019
Making the Case for Nature
Prazo
9 Out
2019
Recovery of Species on the Brink of Extinction
Prazo
9 Out
2019
Conservation Technologies
Prazo
9 Out
2019
Participatory Science
Prazo
9 Out
2019
Reducing Marine Plastic Pollution
Prazo
9 Out
2019
Documenting Human Migrations
Prazo
Contínuo
Chamamento de Projetos Jornalísticos Sobre Florestas...
Prazo
Contínuo
FAPESP - Bolsa de Iniciação Científica
Prazo
Contínuo
FAPESP - Jovens Pesquisadores em Centros Emergentes
Prazo
Contínuo
FAPESP - Políticas Públicas
Prazo
Contínuo
Bolsas do Programa de Capacitação Técnica
Prazo
Contínuo
FAPESP - Bolsa de Doutorado
Prazo
Contínuo
RESOLUÇÃO Nº 191, de 21 de Dezembro de 2018
Prazo
19 Fev
2019
Edital: Combatendo o Trabalho Infantil na Indústria...
Prazo
28 Fev
2019
Edital: 70 Anos da Declaração Universal dos Direitos...
Prazo
16 Abr
2019
International Master’s Fellowships
Prazo
21 Fev
2019
4° Edital Instituto CCR de Projetos Culturais
Prazo
28 Fev
2019
Boas Práticas, Histórias de Sucesso e Lições Aprendidas...
Prazo
15 Mar
2019
Edital IberEntrelaçando Experiências
Prazo
5 Mar
2019
1st UNWTO Gastronomy Tourism Start-up Competition -...
Prazo
Contínuo
Projetos - Globosat
Prazo
29 Mar
2019
The Diana Award 2018
Prazo
21 Fev
2019
Concurso de curtas audiovisuais – 2018 - “Comunidades...
Prazo
Contínuo
Estabelecimento de Parcerias para Coedições de Livros...
Prazo
Contínuo
Leia para uma criança
Prazo
19 Fev
2019
Programa de Apoio à Realização de Eventos Científicos...
Prazo
Contínuo
Programa de Desenvolvimento Científico Regional –...
Prazo
Contínuo
Política de Patrocínios da CEMIG
Prazo
30 Jun
2019
Chamada Pública Bilateral FINEP-CDTI para projetos...
Prazo
21 Mar
2019
Seleção de Projetos Esportivos - Lei de Incentivo
Prazo
Contínuo
Revista Científica de Direitos Humanos - Submissão...
Prazo
21 Set
2019
Crédito De Pesquisa Para Comitês Técnico-Científicos
Prazo
Contínuo
Chamada Pública ANCINE-FSA - Coinvestimentos Regionais
Prazo
Contínuo
Filiação ao Departamento de Informação Pública...

PARCEIROS VER TODOS