Quer a sua captação de recursos contrate um captador!

Por: João Paulo Vergueiro
22 Outubro 2018 - 00h00

No final de 2017, a Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR) divulgou os primeiros resultados da sua mais recente edição do Censo ABCR, pesquisa nacional que mapeia e busca entender quem são os profissionais que se dedicam a mobilizar doações para causas.

Dentre os números inicialmente apresentados, um chama a atenção, justamente por reforçar algo que quem promove a sustentabilidade financeira das organizações já sabe: o captador de recursos, de forma geral, trabalha dentro das instituições e, na maioria dos casos, como funcionário dela.

Essa foi a opção indicada por quase 55% dos participantes da pesquisa, superando largamente as demais alternativas. Entre os participantes do Censo, apenas 15% dos captadores são conselheiros ou diretores de suas organizações, e outros 15% são consultores, conforme a tabela abaixo.

4142-interna

Esse resultado está bastante alinhado com as melhores práticas de captação de recursos em todo o mundo além do que se acredita que é fundamental para a promoção da sustentabilidade das organizações da sociedade civil.

Dificilmente vamos ver a administração pública sem uma área para cobrar impostos – todos os governos as têm. Também não vamos encontrar muitos exemplos de empresas sem área comercial ou de marketing, para vender seus produtos e serviços. Por que, portanto, deveríamos fazer diferente, e não ter uma área de captação de recursos para trazer as doações, que são o que nos financia?

Não deixa de ser, portanto, entusiasmante saber que a maioria dos profissionais que atua no setor e faz parte da rede da ABCR, já é profissional contratado pelas organizações da sociedade civil.

E isso impacta diretamente na remuneração desses profissionais.

Um trabalhador tem de ser adequadamente remunerado, e o captador é um profissional como todos os demais, devendo ser valorizado e receber o justo pagamento pelo seu empenho e dedicação.

Por isso, no Censo, nós também quisemos saber qual é a forma de remuneração dos captadores, e não foi nenhuma surpresa. Em consonância com o resultado anterior, descobrimos que a grande maioria dos profissionais recebe salário, representando mais da metade dos entrevistados (quando somados todos que recebem remuneração fixa).

Dos demais, quase 30% é voluntário, e somente 12% recebe apenas uma comissão proporcional ao valor captado, modalidade que não remunera o captador pelo seu trabalho, apenas pelo resultado:

4143-interna

Sem dúvida, esses resultados são muito saudáveis para a profissão. Nós, captadores, atuamos por causas e para causas, e idealmente devemos estar vinculados às instituições para as quais captamos.

O pedido vem de dentro para fora, da instituição para o indivíduo e para a sociedade. Um captador sem relação direta com a organização não a representará plenamente, nem terá motivos para “vestir a camisa” - e quem pede tem que acreditar na causa, não pode fazer apenas pelo dinheiro.

Os números, portanto, já mostram isso. Agora é com você: quer avançar na captação de recursos da sua instituição e garantir sua capacidade de fazer um país melhor? Contrate um captador!

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
20.245
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.592
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
31 Dez
2020
IberCultura Viva 2020
Prazo
30 Nov
2020
Stop Slavery Award 2021
Prazo
Patrocínio BS2
Prazo
Paranapanema - Doações e Patrocínios
Prazo
Aceleradora P&G Social
Prazo
20 Set
2020
Edital de Patrocínio - Banco da Amazônia
Prazo
2 Out
2020
Arte em Toda Parte
Prazo
20 Set
2020
Prêmio 99 de Jornalismo

PARCEIROS VER TODOS