Pressão pela responsabilidade

Por: Fernando Credidio
01 Maio 2009 - 00h00

Dentro do processo de evolução, o conceito de sustentabilidade está incorporando uma série de outras condições, que tendem a criar um mundo melhor. O esforço não se restringe a preservar a natureza ou promover o desenvolvimento econômico e social; ele atinge as relações e o respeito às pessoas. Por isso, são também pré-requisitos para o desenvolvimento sustentável, a estabilidade política, a democracia, a ética e a transparência.

As pressões para que uma empresa seja sustentável, produzindo lucros, mas, ao mesmo tempo, respeitando o meio ambiente e o bem-estar das pessoas, vem de várias frentes. Uma delas é imposta pelo setor financeiro, desde 2002, quando os maiores bancos do mundo se reuniram e definiram um conjunto de normas a serem aplicadas na hora da concessão de crédito. Esses critérios receberam o nome de “Princípios do Equador”. Por eles, só recebe financiamentos a empresa que, entre outras exigências, apresentar projetos que preservem a flora, a fauna e os recursos naturais; que garanta compensações em dinheiro para populações que, eventualmente, sejam afetadas pelo projeto; que garanta a proteção ambiental a comunidades indígenas; e que não faça uso do trabalho infantil ou escravo.

O objetivo é garantir a sustentabilidade, o equilíbrio ambiental, o impacto social e a prevenção de acidentes de percurso que possam causar embaraços no transcorrer dos empreendimentos, reduzindo também o risco de inadimplência.

A cada ano, as normas se tornam mais rígidas com a intenção de a empresa provar que está apta a cumprir esses preceitos, além de permitir auditoria externa sempre que o projeto for considerado de alto risco ambiental e social.

Transparência é fundamental

A transparência é ponto-chave nessa transformação. No livro O bom negócio da sustentabilidade, o autor Fernando Almeida argumenta que tanto as empresas como os governos e organizações da sociedade civil precisam se preocupar com a transparência que, nesse contexto, deve ser entendida como ausência de corrupção ou subsídios, uma vez que esses elementos não são compatíveis com a concorrência existente em um mercado livre e saudável.

Numa empresa, segundo o autor da publicação, transparência significa ouvir e considerar as opiniões e expectativas de todos os públicos com que ela se relaciona. Vale dizer que a empresa precisa dialogar com seus colaboradores e suas famílias, com seus fornecedores, clientes, comunidades e habitantes da região em que atua. Esse é o novo modelo de atitude a ser seguido por corporações que se preocupam com a sua solidez e perenidade.

Ecoeficiência

Para ser sustentável, uma empresa tem de buscar de modo contínuo em suas decisões a chamada ecoeficiência, ou seja, a possibilidade de produzir mais e melhor seus bens e serviços, com menos poluição e uso de recursos naturais. A ecoeficiência é uma espécie de responsabilidade ambiental corporativa, e toda empresa que pretende abraçar e traduzir esse conceito em ações deve, também, intensificar a reciclagem de materiais e prolongar a durabilidade dos seus produtos – abandonando, assim, a prática da obsolescência planejada (a expectativa curta de duração de algum bem ou produto) – buscando a excelência ambiental.

Além disso, a empresa deve se valer de técnicas avançadas para conhecer bem o seu público consumidor e as suas necessidades. Dessa forma, poderá produzir na medida certa, reduzindo o desperdício. Mas é fundamental que a alta direção das empresas esteja à frente desse movimento e, com isso, seja capaz de conscientizar não apenas os colaboradores, mas, igualmente, os seus fornecedores e clientes.

Índice de Sustentabilidade

Além de saber que a empresa é sólida e que vai continuar crescendo e dando lucros aos investidores, outros critérios também devem ser levados em conta na hora de comprar uma ação negociada na Bolsa de Valores. É preciso saber se a empresa é sustentável, ou seja, se além de rentável, ela se preocupa com a preservação do meio ambiente, respeita seus colaboradores, promove e permite o crescimento social, entre outros fatores.

Esse conceito tem sido levado tão a sério que foi criado na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) o Índice de Sustentabilidade das Empresas. Esse índice é composto por diversas empresas, selecionadas entre as mais negociadas no “pregão” (sessão durante a qual são realizadas as operações nas bolsas de valores e mercadorias). Elas pertencem a diferentes setores econômicos: alimentação, financeiro, transportes, energia elétrica etc.

O índice reflete o desempenho das ações dessas empresas que, para fazer parte desse seleto grupo, são submetidas à avaliação de um Conselho, liderado pela própria Bovespa. A ideia é que uma empresa sustentável tende a ser rentável e produtiva por um prazo mais longo, pois terá menos problemas com a mídia, com a opinião pública e, principalmente, com a Justiça, seja na esfera ambiental, trabalhista ou social.

O fato é que as pressões para que uma empresa seja sustentável vêm crescendo gradativamente. Nas discussões do dia-a-dia ou interna corporis aumenta o número de debates sobre cuidados para a preservação do meio ambiente, desafios para a melhoria de vida e bem-estar social e como conciliar o crescimento econômico com os dois primeiros itens.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
19.064
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.404
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
30 Jun
2020
Linha emergencial de crédito Conexsus
Prazo
Patrocínio BS2
Prazo
31 Jul
2020
GlobalGiving Accelerator - Virtual Training Program...
Prazo
30 Nov
2020
Stop Slavery Award 2021
Prazo
31 Jul
2020
AEB - Chamamento Público para lançamentos a partir...
Prazo
4 Set
2020
Ideias para o Futuro
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
1 Ago
2020
Todos os olhos na Amazônia
Prazo
1 Ago
2020
The IFREE Small Grants Program
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

PARCEIROS VER TODOS