All star vermelho

Por: Instituto Filantropia
23 Janeiro 2015 - 01h05

Ainda com os olhos fechados, tateou a cabeceira da cama e desligou o despertador. Resolveu que iria desligar mesmo — naquela manhã, abandonaria a tática da soneca. Mudou de posição e suspirou, sonolenta. Pela primeira vez na vida, iria acordar à hora que quisesse sem peso na consciência.
Bateu o ponto às 10h45min da manhã sob olhares incrédulos. De All Star e sem maquiagem, ainda balbuciando “À palo seco”, caminhou com seus passos firmes até sua sala, cumprimentou seus colegas de trabalho e sentou-se à mesa disposta a bisbilhotar os sites de notícia. Inspirou o clima de perplexidade junto com a atmosfera de que tudo o que é sólido desmancha no ar. Aquilo lhe encheu os pulmões e trouxe uma sensação de satisfação inimaginável. E esperou...
Segundos depois, a secretária do “Todo-Poderoso” apareceu diante dela, afobada. Mas, naquela manhã, o tempo para ela estava em modo slow motion. Por isso, os segundos foram vivenciados como longos e prazerosos minutos. E, ao observar o desespero da secretária, sentia vontade de gargalhar, mas conteve-se. Ouviu atentamente o pedido agoniado de comparecer com urgência na reunião marcada para aquele dia às 8 horas, com sua presença e participação determinantes.
Fechou os olhos por segundos sem tentar esconder o prazer que sentia ao ver como seu chefe e sua cambada a olharam depois de 2 horas e 48 minutos de atraso. Sentou à mesa com os cotovelos apoiados nela e as mãos cruzadas, segurando o queixo. Fez questão de olhar no olho de cada um ali a censurar e julgar. Entrou num dilema mental tentando decidir qual sensação queria desfrutar mais intensamente: indiferença pelo grupo sentado em torno dela, que se autointitulou a vanguarda do mundo; superioridade, pois a mesquinharia era tamanha, não permitindo à mesquinhez desvelar seu egocentrismo; ou deleite, porque queria ver com seus próprios olhos a superioridade enterrá-los. Sorriu com malícia ao quinto, sentado da esquerda para direita. Era ele quem mais a subjugava. Voltou sua atenção ao chefe e sorriu, sorriu com seu riso mais debochado e discreto e deixou seu olhar falar. A reunião recomeça. E ouviu...
Ela deveria conduzir aquele encontro. Deveria apresentar ideias, táticas, estratégias, linhas de ação, planos, proferir a ideologia, conduzir, liderar. Mas não. Aguardou ansiosamente ser questionada. Quando foi, inclinou orgasticamente a cabeça para trás, com um sorriso mostrando os dentes, escorregando ainda mais o corpo na cadeira. Constatou que seu corpo estava confortavelmente esparramado, com todos os olhares compenetrados nela e seu chefe segurando a respiração ao esperar sua resposta. O silêncio na sala era avassalador. E falou...
Não. Naquela manhã, não esperassem nada dela, assim como não esperassem nada de ser humano algum. Não. Naquela manhã, ela seria mais um, seria da massa. Não. Naquela manhã, a ideia não seria criativa, não seria o que esperavam dela; simplesmente, foi inovadora: seria senso comum. Não. Naquela manhã, quis surpreender: a tática, o plano de ação, a estratégia seria deixar a historia seguir seu curso. Aconselhou, com olhos arregalados e voz de sabedoria, que a roda da história se encarregaria de tudo. Não. Naquela manhã, o plano era não conduzir tão ferrenhamente, era liderar sorrateiramente, era induzir as pessoas, persuadi-las a fazer o que elas achassem melhor, e não o que eles queriam de fato. E observou...
O silêncio destruidor tomou conta da sala. A mesa balançava com o chacoalhar das pernas ao expressar a tensão muda. Estava entorpecida com o que via e sentia. Respirou fundo e proferiu...
Um espectro ronda a humanidade... a história de todas as sociedades que existiram até nossos dias tem sido a história do salve-se quem puder. Quem pode se salvou e, com unhas e dentes, manteve o que pôde. Degolem todos, foi o exigido pelo grupo ali presente. Com sua tranquilidade mórbida, falou... Não. Naquela manhã, não faria absolutamente nada a não ser executar ipsis litteris o que fosse decidido pelos homens e mulheres. E suspirou perseverante...
A Revolução foi embora naquele momento, satisfeita consigo mesma. Ela havia começado naquela manhã, quando ignorou o despertador. Com os fones no ouvido, cantou sem pudor que, assim como Belchior, aquele amigo que embarcou com ela cheio de esperança e fé já se mandou, oh! oh! oh!
Decidiu não pensar em nada. Antes de esvaziar a mente, pensou como seu velho: se o homem é formado pelas circunstâncias, será necessário formar as circunstâncias humanamente. E não pensou...

 

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.490
Oportunidades Cadastradas
9.585
Modelos de Documentos
3.095
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
15 Abr
2020
1º Concurso Sua Arte no Livro Didático - FNDE
Prazo
20 Mar
2020
IX Prêmio Fotografia-Ciência & Arte - CNPq
Prazo
2 Fev
2019
7º Edital SECMA - Seleção de Projetos Audiovisuais...
Prazo
1 Mar
2020
2ª Chamada de artigos Censo GIFE
Prazo
23 Mar
2020
World Habitat Awards 2020
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme
Prazo
Contínuo
Apoio Emergencial para organizações indígenas na...
Prazo
Contínuo
Fundo Regenerativo Brumadinho

PARCEIROS VER TODOS