Governança de Ongs e Captação de Recursos

Por: João Paulo Vergueiro
09 Junho 2016 - 00h00

 A governança nas organizações da sociedade civil, ou organizações não governamentais (ONGs), é tema muito pouco debatido e estudado no Terceiro Setor, mas não por isso menos importante. Para o sucesso da captação de recursos, é essencial que as organizações tenham uma estrutura de governança funcional e atuante.

Por governança, entende-se o “sistema pelo qual as organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento entre Conselho, equipe executiva e demais órgãos de controle”. Essa é a definição que nos foi apresentada pelo Guia das Melhores Práticas de Governança para Institutos e Fundações Empresariais (2014)1, um documento elaborado pelo Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (Gife) em parceria com o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), considerada a maior referência brasileira sobre o tema.

Pode parecer até óbvio, mas o fato é que organizações bem dirigidas, bem monitoradas e incentivadas, que contam com um conselho atuante e independente e com uma equipe executiva competente para realizar o seu trabalho serão as que terão os melhores resultados na captação de recursos.

Captação de recursos, como sabemos, é um processo continuado e estratégico de mobilização de recursos de várias fontes – indivíduos, empresas, governos etc. –, para com isso ser possível viabilizar a missão da organização, utilizando, a fim de pedir doações, as mais variadas técnicas e ferramentas.

A captação de recursos pode acontecer de maneira pontual e imediata – o presidente da organização que conhece um diretor de uma empresa que faz uma doação emergencial –, mas a sua sustentabilidade ocorre, de fato, quando é feita de forma permanente, com a organização sempre pensando em como trazer recursos (captar) com a mesma prioridade que dá à realização dos seus projetos.

É aí que entra a importância da governança. Para garantir a efetividade da captação de recursos como uma ação estratégica das organizações, as estruturas internas de governança devem estar preparadas para isto: o conselho precisa existir e ser independente, reconhecendo a relevância de captar para viabilizar o impacto dos projetos concretizados; a direção executiva da organização tem de dedicar tempo, como parte da sua função (no job description), à captação de recursos; e a própria organização deve contar com uma área própria de mobilização de recursos – ou, no mínimo, com um membro da equipe que tenha essa responsabilidade como a principal.

Segundo o Guia das Melhores Práticas..., as “boas práticas de governança convertem princípios em recomendações objetivas, alinhando interesses com a finalidade de preservar a reputação da organização e de otimizar seu valor social, facilitando seu acesso a recursos e contribuindo para sua longevidade”. Nada mais próximo do que se defende aqui: para a longevidade da organização, captar recursos faz-se fundamental, gerando as receitas necessárias para implementar a missão de cada uma delas. Assim, para captar de modo mais eficaz e sustentável, é preciso que a organização possua boa estrutura de governança.

Nas próximas edições da Revista Filantropia, daremos continuidade ao tema da governança e da sua relação com a captação de recursos, apresentando os princípios e os fatores que devem ser levados em conta para as organizações poderem melhor se estruturar.

Há muito já salientamos que é primordial captar recursos para a sustentabilidade financeira das organizações. A partir de agora, ampliaremos esse entendimento: captar é, de fato, essencial, e, para garantir que a captação aconteça e seja efetiva, as organizações da sociedade civil devem contar com padrões mínimos de governança corporativa.

1 Disponível em: http://gife.issuelab.org/resource/guia_das_melhores_prticas_de_governana_para_institutos_e_fundaes_empresariais;.

Acesso em: 31 mar. 2016.

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

PARCEIROS VER TODOS