Expedições em busca dos bons encontros

Por: Felipe Mello, Roberto Ravagnani
01 Março 2011 - 00h00
Untitled Document

Reflexão

Em 2007, cinco anos após a fundação do Canto Cidadão, começamos a aceitar e procurar oportunidades de presença em situações de desastres naturais. A partir de então, algumas expedições sociais foram realizadas, confi rmando a suspeita inicial: a alegria pode contribuir para a organização do caos; ou, nas palavras da mineira Adélia Prado, “pode com a tristeza quem não perdeu a alegria”.
Antes de mais informações sobre essas iniciativas, em especial a última realizada em fevereiro de 2011, bate o desejo de agradecer, pelo reconhecimento compreensivo, a tantas e tantos que nos permitiram descobrir a coragem e habilidades necessárias para visitar ambientes atingidos por desastres, entregando o melhor que possa ser oferecido sem causar danos a visitantes e visitados. O Canto Cidadão e seus voluntários são gratos aos milhões de pacientes de hospitais públicos e asilos já visitados em todo o Brasil e outros países, em especial na região da Grande São Paulo. Pessoas que, embora na maior parte das vezes castigadas pela incompetência e descaso estruturais, ainda assim aprovam a aposta da realização de bons encontros como forma de recuperação física e
emocional.
Este novo ano, que avança velozmente, começou com chuvas intensas. Nenhuma surpresa em um país tropical. O que vem se alterando ao longo dos verões é a localidade que sucumbe mais tragicamente ao imenso volume de água que desce. Em 2010, São Luiz do Paraitinga-SP fi cou submersa, e lá estivemos com um grupo de 30 voluntários.
Além de circular por toda a cidade, escolas, hospital, igreja, obras etc, dialogando, abraçando, brincando, fazendo apresentações teatrais e valorizando o esforço de moradores e voluntários, identifi camos uma oportunidade adicional de contribuição: as duas bibliotecas da cidade tinham sido destruídas, tanto em relação às suas estruturas físicas quanto aos seus acervos. Dois meses depois, após uma campanha de sensibilização e arrecadação, doamos oito mil livros à cidade. Um ano depois, foi a vez da região serrana do Rio de Janeiro enfrentar momentos desafi adores. Ficaram registradas inúmeras imagens de intensos duelos entre vida e morte, com uma linha muito sensível separando ambas. Decidimos fazer mais uma expedição social, motivados e apoiados pelos voluntários e parceiros da organização e pelos amigos do Viva Rio, instituição que assumiu importantes tarefas no momento pós-tragédia. As cidades escolhidas para as visitas foram Nova Friburgo- RJ e Teresópolis-RJ, duas das mais castigadas. Entre 18 e 20 de fevereiro, um grupo de 35 doutores cidadãos (palhaços hospitalares) e encantadores (brinquedistas hospitalares) embarcaram. Na bagagem: ansiedade e dúvidas. Mas não só: também havia esperança, desejo de ajudar e mais de três mil brinquedos novos e em bom estado a serem distribuídos.
Se o nobre editor desta revista permitisse, o colunista teria assunto para preencher todas as páginas de uma edição, tantos foram os fatos, depoimentos, sensações e imagens observadas, ouvidas, sentidas e registradas durante aquele dias. Mas como há de se manter espaço para tantas outras matérias importantes, exercitaremos o fugidio e arisco poder de síntese. Nas expedições sociais realizadas nos últimos anos, percebemos um punhado de coisas. Algumas delas gritam escandalosa e recorrentemente, sendo ouvidas durante as tragédias e talvez por algumas semanas adicionais, mas esquecidas logo a seguir: a força implacável da natureza e o descaso de tantos governantes e populações frente aos riscos iminentes. Mas para além da usual tendência de privilegiar as sombras de um fato, vamos às luzes. Todos os grandes momentos da viagem à região serrana estiveram conectados uns aos outros por uma única premissa: gente organizada e motivada em busca de bons encontros. Cada visita feita (abrigos, orfanato, hospital e comunidades) foi bem-sucedida em razão do imenso desejo de usar a arte a serviço da vida, que nitidamente pulsa mais vibrante em meio aos encontros positivos. Por arte entendemos além do que é feito em espaços tradicionalmente reservados à promoção cultural.
Abraçamos, motivados pela comprovação prática, o que Stella Adler apresenta em um de seus pensamentos: “a vida bate e estraçalha a alma da gente, e a arte nos lembra que temos uma”. Ao final de cada missão, batem mais forte ainda o saber e o sabor quase indizíveis das possibilidades que moram dentro das práticas que unem ética, talento e acolhimento animado.

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

PARCEIROS VER TODOS