BRAVO Mundo Novo!

Por: Marcelo Torrecilas
01 Julho 2003 - 00h00
Quanto mais eu penso no futuro, mais acho que as respostas para os nossos problemas estão no passado. Na minha modesta opinião, a gente deveria, de certa forma, voltar a ser índio. A vida era muito melhor naquela época - não havia fome, doenças, escravidão, poluição, efeito estufa, inflação, preconceito, nada disso.Já faz quinhentos e três anos que descobriram a gente aqui no paraíso. Vieram em caravelas de madeira, consideradas hoje pouco mais que enormes jangadas, que só maluco e documentarista para se meter a enfrentar o atlântico nelas. Mas vieram. Era um povinho primitivo descobrindo que o mundo habitável que eles conheciam, de uma hora para outra, dobrou de tamanho.Ingleses e irlandeses rasgaram a América do Norte com trens, cavalos, carroças e o diabo no corpo, dando tiro pra todo lado, cuspindo no chão e brincando de mocinho e bandido. Era briga e guerra o tempo todo. Uma hora implicavam com índios, depois com mexicanos, negros, latinos, com os próprios ingleses e irlandeses, mas os mocinhos eram sempre eles. Bom, acabou nessa gente briguenta que está aí.Já quem veio explorar a América do Sul tropeçava em pepitas de ouro pelo chão. Eles ficaram mais interessados em fazer fortuna, voltar para a Europa e sumir do “quinto dos infernos”. Não houve colonização, mas exploração. Os padres faziam de tudo para ensinar a reza do homem branco aos índios. Depois vieram os condes, viscondes, dons, coronéis, barões e dominaram o pedaço numa boa, sem mesmo ter que fazer grandes esforços.Pode-se dizer, então, que foi uma rendição pacífica? Não, sangrenta. Morreu muita gente nesse processo, mas quando vimos que não dava para conter a portuguesada, arrumamos uma estratégia de sobrevivência das mais antigas: nos juntamos a eles. Aí sim, foi fácil, eles eram os primeiros imigrantes, nunca tinham visto tanta mulher daquele jeito na praia... Quem nunca comeu melado, quando come se lambuza mesmo. Nós misturamos o nosso sangue ao deles até eles pegarem o gosto pela terrinha. Esfregamos nosso bom-humor nas suas caras pálidas até a alma. Demorou 500 anos, mas deu nesse povo maravilhoso que temos.Agora, que todos os descendentes, de todos os povos e de todos os continentes, já se espalharam por todo o globo, o ser humano já se misturou, se modificou e evoluiu até o ponto de entender tanto disso que já consegue até clonar esse fenômeno em laboratório. Passado o primeiro susto, imagino como deve ter sido para o primeiro homem da caverna que conseguiu acender uma fogueira.Então imagine só: se nossa tecnologia já evoluiu tanto, vai que, de repente, descobrimos um outro planeta capaz de suportar a vida (e aí eu pergunto: só um?) e que o ônibus espacial faz daqui até lá em seis meses. Um mundo inteiro limpinho, poluição zero, novinho em folha, mas... habitado, com vida inteligente, porém muito mais primitiva, quase que selvagem. O que a gente ia fazer? Juntar um punhado de humanos com uma carga de espelhos e mandar para lá? Com padre e tudo? Legal! Larga a Terra aqui se regenerando e acampa no quintal dos outros enquanto espera. E que se dane a indiarada!Tudo bem, isso ainda demora muito, é faz de conta, é coisa da minha cabeça. Mesmo assim, não seria melhor se, no mínimo, revessemos nossos valores, conceitos e preconceitos, fazer valer a vontade da maioria, sem desrespeitar os direitos dos que foram voto vencido... Afinal de contas, que exemplo de sociedade tecnologicamente avançada nós seríamos?Mas existe ainda, um outro cenário possível: imagine que nesse exato momento, uma enorme nave espacial estivesse surgindo no horizonte da praia de Boa Viagem como foi com as caravelas, mas desta vez, a intenção não fosse colonizar. Apenas fazer contato.Nesse caso, seria melhor a gente parar mesmo de poluir o planeta e começar a restaurar nossas belezas naturais... Dar uma arrumada na casa para receber a visita.Por isso deveríamos voltar a pensar como os índios. Garanto que eles também não acreditavam em vida inteligente além do oceano, mas enquanto estava nas mãos deles, o planeta estava em ordem.
EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
16.515
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.222
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
30 Abr
2020
Prêmio Melhores ONGs
Prazo
30 Abr
2020
Dubai International Best Practices Award
Prazo
1 Mai
2020
World Food Prize 2020
Prazo
8 Mai
2020
15ª edição do prêmio Para Mulheres na Ciência
Prazo
21 Mai
2020
Zayed Sustainability Prize 2021
Prazo
26 Mai
2020
UNESCO - Prize for Girls’ and Women’s Education...
Prazo
1 Jun
2020
Sophie Danforth Conservation Biology Fund
Prazo
18 Jun
2020
Global Health Security & Pandemics Challenge
Prazo
30 Jun
2020
Prêmio Internacional de Seguros Julio Castelo Matrán
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

PARCEIROS VER TODOS