Entre O Velame E A Macambira

Por:
19 Janeiro 2017 - 14h16

Quem nunca passou por alguma situação de adversidade na vida? Todos nós já passamos ou passaremos algum dia por situações dessa ordem, porém, a forma como enfrentamos tais situações é que faz a diferença entre seguir ou não em frente.

Adversidades são situações que temos dificuldade de superar ou resolver. Carlos Drummond de Andrade certa vez escreveu: "A dor é inevitável. O sofrimento, opcional". Essa lucidez do poeta, a seu modo, fala de resiliência.

Resiliência é um termo que tem sua origem na Física, o qual caracteriza a capacidade de um material que sofre um impacto e consegue voltar ao seu estado natural. Dessa forma, a resiliência é a capacidade que uma pessoa tem de passar por situações adversas e se recuperar; é reconhecer a dificuldade e a queda, enfrentar, superar e continuar caminhando. O foco principal é a força humana diante de acontecimentos desagradáveis e como a esperança pode auxiliar na evolução diante dessas dificuldades.

Superação De Obstáculos

 

Sou fã das músicas do cantor paraibano Flávio José. Quando Petrúcio Amorim compôs Tareco e mariola – interpretada pelo referido cantor –, foram justamente as dificuldades que ele passou na vida que o impulsionaram a compor a música. Mas nem por isso ele desanimou; ao contrário, fez das pedras que lhe atiraram o alicerce sólido de sua fortaleza. Isso me faz lembrar os obstáculos que todos nós enfrentamos diariamente e que muitas vezes não sabemos como superar.

A realidade apresentada pelos grupos sociais menos favorecidos é permeada por muitos conflitos e situações que necessitam de certos cuidados. É no confronto entre as características individuais e familiares, como ciclo de vida, tipo de arranjo familiar, escolaridade, renda, formas de inserção no mercado de trabalho e condições de saúde, que se definem suas efetivas condições de vida e possibilidades de mobilidade social.

Comparo nosso trabalho com o velame e a macambira, duas plantas tipicamente brasileiras, bastante resistentes às duras secas e com propriedades medicinais. Ao compará-las com as pessoas, refiro-me justamente ao poder que ambas possuem de resistir a diversas situações que fazem com que fiquem desestimuladas ou desacreditadas.

Aprender a lidar com as adversidades e superá-las é o que nos faz ser quem somos. Cada desafio e dificuldade que enfrentamos com êxito serve para fortalecer a nossa força de vontade, confiança e capacidade de vencer os obstáculos futuros. Devemos levar em consideração que a resiliência não pode ser confundida com invulnerabilidade ou acomodação; ninguém é super-homem. Todos nós caímos, todos nós erramos, todos nós nos abatemos, mas temos a capacidade de levantar e de recomeçar.

Não Sabes Tu Que Eu Já Tirei Leite De Pedra

Este ditado popular significa a realização de algo muito complicado, em condições difíceis, para se conseguir bons resultados. Na sociedade atual, as mudanças e as adversidades ocorrem quase instantaneamente, exigindo contínuo esforço para a adaptação.

O resiliente apresenta a objetividade e a determinação como suas características mais marcantes. Ele, o indivíduo resiliente, não coloca em foco o problema, mas procura encontrar uma solução para ele. Isso não significa que não se sinta abalado ou sofra com a situação, mas, sim, que ele consegue dominar facilmente seus sentimentos, mobilizando toda energia para resolvê-lo e está em constante atualização. Tenho a convicção de que para enfrentar as situações difíceis é necessário primeiro tirá-las do campo emocional e transferi-las para o campo racional, a fim de lidar de maneira prática com elas.

O interessante é que os resilientes conseguem achar um sentido para toda a adversidade. Muitas pessoas, ao passarem por mudanças, têm a sensação de que o mundo vai acabar, mas percebem que a vida é maior que isso. Parece simples, mas a esperança é o ingrediente número um que possibilita à pessoa nocauteada por algum acontecimento traiçoeiro retornar ao seu estado normal de vida.

Um fato é verdadeiro: o ser humano somente comprova sua capacidade de enfrentar o problema quando realmente precisa passar por ele. Quaisquer que sejam as necessidades de superações, as limitações são muito mais psíquicas do que reais. Há muito mais preocupação em se identificar um motivo para não fazer algo do que em ver os bons resultados que serão obtidos caso seja realizado.

Quem é Você Pra Derramar Meu Mungunzá?

Sabemos que é praticamente impossível não passar pelas adversidades, pois elas são inerentes a qualquer ser humano e podem desencadear um processo positivo de construção a partir da vivência das pessoas.

Para crescermos, é essencial decidirmos evoluir e, para que isso aconteça, temos que passar por momentos que nos desafiem, amedrontem e até mesmo que nos façam parar. No entanto, é necessário seguir olhando para a frente com foco no futuro. Futuro este que nos levará além e que nos fará crescer.

"Quem é você pra derramar meu mugunzá?", disse o poeta Petrúcio Amorim. A realidade do dia a dia não pode ser local de indiferença ou de fugas, pois o amadurecimento e o crescimento dos indivíduos acontecem com o enfrentamento dessa realidade. Todavia, esses enfrentamentos e as pequenas conquistas são necessários para a evolução das pessoas. Como afirma o próprio Petrúcio, "(...) às vezes o 'sim' constrói, mas o 'não' constrói muito mais, porque ele engrandece a gente, porque fortalece, nos dá coragem (...)". E assim, mesmo com as portas fechadas e recebendo vários "nãos", nunca desistiu de seguir em frente.

Assim, podemos ter a capacidade de desfrutar do êxito e sofrer com os fracassos, e construir com base em ambos. Dentro dessa perspectiva, um indivíduo resiliente é capaz de acreditar em suas potencialidades e demonstrar sentimentos positivos com relação a si mesmo. Além disso, é capaz de estabelecer metas e traçar estratégias para conseguir bons resultados, mesmo quando fracassa.

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book Como começar uma⠀ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book 18 PASSOS essenciais para ajudar sua ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

PARCEIROS VER TODOS