A maior de todas

Por: Luciano Guimarães
28 Julho 2018 - 00h00

Assim como outros ex-atletas, como Raí e Leonardo (Fundação Gol de Letra), Gustavo Kuerten (Instituto Guga Kuerten) e Magic Paula (Instituto Passe de Mágica), a ex-jogadora de basquete Janeth Arcain também decidiu seguir o caminho do engajamento social, fundando instituto que leva o seu nome.

 3745-chamada

Criado em 2002, quando ainda atuava em alto nível, o Instituto Janeth Arcain atende mensalmente 700 crianças e jovens com idades entre 7 e 17 anos, e ao longo de 16 anos de existência já beneficiou diretamente em torno de 15 mil pessoas desta faixa etária por meio uma metodologia que, didaticamente, divide-se em duas vertentes – “ensino do esporte” e “ensino pelo esporte”.
Embora tenha se aposentado das quadras em 2007, ano em que ganhou a medalha de prata com a Seleção Brasileira de basquete nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, a ex-jogadora começou a desenvolver seu lado social em 1997, quando atuava na WNBA, liga norte-americana de basquete feminino.
Esse insight de fazer diferença na sociedade ocorreu durante as programações voluntárias em praças e escolas dos subúrbios, realizadas pelo time que defendia e pelo foi tetracampeã nacional, o Houston Comets. Bastante comuns nos Estados Unidos, ações sociais desse tipo caminham de mãos dadas com a projetos de educação e conscientização da comunidade sobre direitos e deveres.
“Aquele período foi um divisor de águas para mim. Desde o primeiro mês de atuação, o time promovia vivências esportivas. Participei de todas as ações desde então, pois me fazia muito bem e era positivo para quem se beneficiava. A partir daquele momento, comecei a estudar como poderia replicar aquelas experiências para o meu país”, afirma a medalhista de prata nos Jogos Olímpicos de Atlanta, nos Estados Unidos, (1996) e de bronze em Sidney, na Austrália (2000).
Nascida em 1969 em Carapicuíba, Região Metropolitana de São Paulo, a ex-ala-armadora teve uma carreira de sucesso, defendendo, além do Houston Comets e da Seleção Brasileira (pela qual anotou 2.247 pontos em 138 jogos oficiais), as equipes do Ourinhos, Higienópolis (Catanduva), BCN, Jundiaí, Clube Atlético Minercal (Sorocaba), Santo André, Vasco da Gama, São Paulo/Guaru e Valência (Espanha).
Em entrevista à Revista Filantropia, Janeth conta sobre o trabalho desenvolvido por sua organização social e como as atividades desportivas e educacionais estão mudando a vida de crianças e adolescentes.

Revista Filantropia: Dezesseis anos após a fundação do Instituto Janeth Arcain, que análise você faz do impacto na vida das crianças e adolescentes atendidos e de suas famílias e comunidades?

Janeth Arcain: O Instituto vem, desde a sua fundação, assegurando o direito de toda criança e adolescente à pratica esportiva de qualidade, no caso, o incentivo ao basquetebol. O IJA vem contribuindo para uma população mais ativa, utilizando o esporte como ferramenta de inclusão social e exercício da cidadania.
Por entendermos a importância de aliar esporte e educação, nossos projetos socioeducativos utilizam temas transversais como sustentabilidade, hábitos saudáveis, combate à evasão escolar, incentivo à higiene bucal, combate ao sedentarismo, entre outros, que têm sido fundamentais para a redução das consequências das desigualdades sociais. Ao longo de sua trajetória, o IJA vem impactando de forma positiva comunidades, famílias e educandos por meio do esporte.

RF: Qual foi o caminho percorrido por você entre o conceito da ONG e a fundação?

Janeth: A decisão ocorreu no ano 2000, quando entendi que essa seria, definitivamente, a forma de retribuir ao Brasil o apoio que sempre recebi. O basquetebol pode fazer a diferença na vida centenas de crianças, jovens e famílias. Foi por isso que, em 2002, fundei o Instituto Janeth Arcain. Meu objetivo foi democratizar o esporte de qualidade, utilizando-o como fator de desenvolvimento humano.

RF: O IJA deve ter muitos exemplos de crianças que entraram na organização e conseguiram se afastar do caminho do crime e das drogas, e hoje são pais de família, não é mesmo?

Janeth: Sim, temos inúmeras histórias emocionantes e de grande inspiração, histórias de transformação, como a de Damiris Dantas, que chegou ao Instituto aos 13 anos de idade para fazer sua primeira aula de basquete. Criada pelos tios e moradora da periferia da cidade de Ferraz de Vasconcelos, uma das mais violentas do estado de São Paulo. A menina enxergou no basquete uma possibilidade de tornar a sua realidade diferente da de seus colegas.
Os problemas familiares e a dura realidade em que vivia impactavam diretamente na forma como interagia com colegas e técnicos, e fazia de Damiris uma jovem muito tímida, introvertida e sem perspectiva de futuro. Em pouco tempo foi possível notar a grande transformação que o esporte havia promovido em sua vida, contribuindo para que se tornasse mais alegre e extrovertida dentro e fora da quadra. Desde então, sempre assistida pela equipe de profissionais do IJA, Damiris evoluía em uma velocidade impressionante, mesmo enfrentando diariamente mais de três horas de viagem para chegar aos treinamentos no Instituto. Sempre com muita dedicação, responsabilidade e atenta às orientações que recebia, não demorou muito para que a jovem da periferia tivesse sua primeira oportunidade para representar o Brasil.
Como consequência de sua brilhante evolução no esporte, despertou o interesse dos clubes dos grandes centros do basquete mundial. Em seguida, Damiris chegou ao maior palco do basquete feminino do planeta, a WNBA, liga profissional de basquete dos Estados Unidos.
Aos 20 anos, havia ganho o mundo, chegando aos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, e do Rio, em 2016. Na ocasião, foi a cestinha da equipe nacional. Hoje, aos 25 anos, coleciona títulos pelos clubes que passou. É um dos grandes nomes do basquete feminino nacional, sendo eleita a MVP (Most Valuable Player) da Liga de Basquete Feminino, na temporada (2016/2017), e cestinha da competição nas últimas duas edições (2015/2016 e 2016/2017). Damiris defendeu o KB Stars, da Coreia do Sul, até abril deste ano, e no início de maio, passou a defender o Atlanta Dreams, da WNBA.

RF: Quais são os projetos atualmente em andamento? Quantas pessoas são atendidas e como têm melhorado a vida delas?

Janeth: O IJA atende mensalmente 700 educandos e, com sua metodologia que didaticamente está dividida em duas vertentes (“ensino do esporte” e “ensino pelo esporte”), vem contribuindo com a formação de indivíduos mais éticos, críticos, cooperativos, autônomos, conscientes e responsáveis com seus deveres enquanto cidadãos.
No “ensino do esporte”, o objetivo é o aprendizado do basquetebol. Por meio de aulas teórico-práticas, os educandos vivenciam inúmeras situações da modalidade. São divididos em quatro faixas de desenvolvimento, denominados Basquete Kids, de 7 a 9 anos; Mini-Basquete, de 10 a 12 anos; Basquete I, de 13 e 14 anos; e Basquete II, de 15 a 17 anos.
No “ensino pelo esporte”, trabalhamos diretamente os bons valores que o esporte proporciona, contribuindo com a formação de cidadãos mais íntegros e com princípios estabelecidos. Os projetos que nos auxiliam e foram idealizados pelo IJA são Projeto Educando, Projeto Planeta Amigo, Projeto Sorris e Projeto NutriBem.

RF: Além de Santo André, onde é a sede, por que você escolheu as cidades de Cubatão, Atibaia, Bragança Paulista e João Pessoa (PB) para estabelecer núcleos? Existem planos para outros locais?

Janeth: Todas as cidades beneficiadas pelo Instituto foram estudadas levando em consideração uma série de critérios que viabilizaram a abertura de um núcleo de atendimento, como a demanda de crianças e adolescente no perímetro, zonas de maior vulnerabilidade, carência de atendimento socioeducativo, entre outros. Cada Núcleo de Atendimento do Instituto Janeth Arcain atende, no mínimo, 100 beneficiários. O objetivo é sempre aumentar o atendimento, e por isso estamos buscando contemplar outros municípios.

RF: Como funciona a abertura de vagas?

Janeth: As matrículas acontecem duas vezes por ano, nos meses de fevereiro e julho. Durante o período de não inscrição, as listas de espera são preenchidas e automaticamente atendidas.

RF: Como a entidade obtém recursos e como é composta a equipe?
Janeth:
Os atendimentos são subsidiados pela Lei Federal de Incentivo ao Esporte. Os eventos e projetos socioeducativos são realizados por meio de parcerias diretas. Ao todo são 16 colaboradores, mas em eventos pontuais trabalhamos com voluntários.

RF: Como você analisa o atual panorama do Terceiro Setor no país, especialmente em relação à gestão de recursos captados? Falta muito ainda para uma profissionalização?

Janeth: O Terceiro Setor vem crescendo a cada dia e possui papel de grande relevância para o desenvolvimento do nosso país. Acredito que podemos realizar ainda mais, pois o mercado corporativo vem contribuindo para o crescimento e viabilidade de programas de grande impacto social. Por outro lado, a falta de qualificação profissional ainda é um desafio para as organizações, porém, com a demanda, o cenário tende a reagir.

RF: O que você pensa sobre o engajamento de celebridades em causas sociais, uma vez que, por serem conhecidos, têm mais acesso às fontes de recursos?

Janeth: Como é sabido, celebridades costumam ter influência. Seu bom exemplo tende a despertar compaixão e generosidade nas pessoas, podendo agir como multiplicadores do bem. Penso que todos nós temos direitos e deveres como cidadãos, e a união de todos por um Brasil mais justo pode ser transformador para o país.

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book Como começar uma⠀ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book 18 PASSOS essenciais para ajudar sua ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

EDITAIS
23.064
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
4.100
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
1 Out
2021
The Land Accelerator - América Latina
Prazo
30 Jun
2021
eFestival Canção
Prazo
Contínuo
Super Desafio COVID-19 - Startups
Prazo
10 Ago
2021
The Chelsea International Photography Competition 2021
Prazo
5 Jun
2021
Prêmio Excelência em Competitividade 2021
Prazo
15 Dez
2021
Premio Iteramericano a Las Buenas Práticas para el...
Prazo
28 Mai
2021
Chamada Pública Inovação Tecnológica - Serviço...
Prazo
Contínuo
Adobe Creative Residency Community Fund
Prazo
31 Mai
2021
Chamada de Cooperação Conjunta em Ciência e Tecnologia...
Prazo
15 Jun
2021
2º Call for Partnerships - Global Media Defence Fund

PARCEIROS VER TODOS