Você acredita em destino?

Por: Marcio Zeppelini
04 Outubro 2017 - 13h31

 378

Zé Alegria

Havia uma fazenda onde os trabalhadores viviam tristes e isolados uns dos outros. Eles estendiam suas roupas surradas no varal e alimentavam seus magros cães com o pouco que sobrava das refeições.

Um dia, chegou ali um novo empregado, cujo apelido era Zé Alegria. Era um jovem agricultor em busca de trabalho. Foi admitido e recebeu, como todos, uma velha casa onde iria morar enquanto trabalhasse ali. O jovem, vendo aquela casa suja e abandonada, resolveu dar-lhe vida nova. Cuidou da limpeza e, em suas horas vagas, lixou e pintou as paredes com cores alegres e brilhantes, além de plantar flores no jardim e nos vasos.

Aquela casa limpa e arrumada destacava-se das demais e chamava a atenção de todos que por ali passavam. Ele sempre trabalhava alegre e feliz na fazenda, por isso tinha o apelido de Zé Alegria.

- Como você consegue trabalhar feliz e sempre cantando com o pouco dinheiro que ganhamos? - Perguntou outro trabalhador
- Bem, este trabalho hoje é tudo o que eu tenho. Em vez de reclamar, prefiro agradecer por ele. Quando aceitei trabalhar aqui, sabia das condições. Não é justo que eu fique reclamando agora que estou aqui. Farei com capricho e amor aquilo que aceitei fazer. - Respondeu Zé Alegria

Os outros, que acreditavam ser vítimas das circunstâncias, abandonados pelo destino, o olhavam admirados e comentavam: "como ele pode pensar assim?".

O entusiasmo do rapaz, em pouco tempo, chamou a atenção do fazendeiro, que passou a observá-lo à distância. Um dia, seu João pensou: "Alguém que cuida com tanto carinho da casa que emprestei, cuidará com o mesmo capricho da minha fazenda. Ele é o único aqui que pensa como eu. Estou velho e preciso de alguém que me ajude na administração da fazenda".

Num final de tarde, foi até a casa do rapaz e, após tomar um café bem fresquinho, ofereceu ao jovem o cargo de administrador da fazenda. O rapaz aceitou prontamente.

Seus amigos agricultores novamente foram lhe perguntar:
- O que faz algumas pessoas serem bem-sucedidas e outras não?
- Destino não é algo que cai do céu. É você que o traça - Respondeu o jovem .

Planeje e trace o seu destino

É comum vermos pessoas dizendo de pessoas bem-sucedidas: "Esse é sortudo", "Esse nasceu virado para a lua", ou ainda "Ganhou na loteria".

Na mitologia grega, três irmãs - as Moiras - teciam o que chamavam de "fio da vida". Elas decidiam o que aconteceria na vida de deuses e homens comuns. Na filosofia moderna, algumas correntes acreditam no "fatalismo" - uma doutrina que afirma que todos os acontecimentos ocorrem de acordo com um destino fixo e inexorável, não controlado ou influenciado pela vontade humana.

Pura bobagem!

Quem tece nosso "fio da vida" e quem determina como serão os acontecimentos futuros somos nós. Executamos ações que, estatisticamente, trarão um resultado que gostaríamos em nossas vidas. Quer exemplos?

- A maioria das pessoas que poupa algum dinheiro mensalmente tem uma aposentadoria mais tranquila financeiramente.
- A maioria dos pais que dialoga frequentemente com seus filhos evitm que eles tenham problemas com drogas.
- A maioria dos funcionários que se dedica mais do que outros evolui profissionalmente e conquista posições maiores na empresa.

Isso não quer dizer que você não possa fazer parte da minoria. Fatalidades acontecem.

Então, o que você quer ser "quando crescer"? Busque pessoas que já estão nessa posição e examine os passos que deram para chegar "lá". Não observe uma nem duas. Observe 10, 15... o máximo que você conseguir. Veja o que a maioria fez e tente seguir os mesmos passos.

Não existe fórmula pronta para o sucesso. Mas a fórmula do fracasso é ficar reclamando!

Pare de reclamar e tenha atitude.

Beijos Inspiradores, Abraços transformadores.

De seu amigo aqui,
Marcio Zeppelini


 

"Não existe fórmula pronta para o sucesso.
Mas a fórmula do fracasso é ficar reclamando!"
Marcio Zeppelini