Você costuma ver rosas ou espinhos?

Por: Marcio Zeppelini
30 Outubro 2015 - 15h12

iStock 000016117571 Small

Uma aula sobre crítica

Um conferencista compareceu ante o auditório superlotado, e carregava consigo um pequeno fardo. Após cumprimentar os presentes, em silêncio, enfeitou uma mesa forrada com toalha branca de seda, com dezenas de pérolas que trouxera no embrulho e com várias dúzias de flores frescas e perfumadas.

Em seguida, apanhou na sacola diversos enfeites de expressiva beleza e os distribuiu sobre a mesa, com graça. Logo depois, diante do assombro de todos, em meio aos demais objetos, colocou uma barata voadora dentro de um frasco de vidro.

Só então se dirigiu ao público, perguntando:

- O que é que os senhores estão vendo?

E algumas vozes responderam, discordantes:
- Credo! Uma barata!
- Um inseto nojento...
- Uma baratona... dessas que voam!
- Um pequeno monstro!

O conferencista, então, considerou:
- Assim é o espírito da crítica destrutiva, meus amigos! Os senhores não enxergaram o forro de seda branca que recobre a mesa. Não viram as flores, nem sentiram o seu perfume. Não perceberam as pérolas, nem as outras preciosidades. Mas não passou despercebido aos olhos da maioria o inseto...

E, sorridente, concluiu:
- Pediram-me para subir neste palco para falar sobre crítica, portanto, nada mais tenho a dizer.

Desvie dos espinhos, e sinta o perfume das rosas

Quando criticamos ferrenhamente alguém, algum lugar ou alguma coisa, estamos cometendo dois erros:

1. fazer uma avaliação de um todo a partir de uma única característica daquele indivíduo. Por pior que sejam os defeitos, é necessário avaliarmos todo o "conjunto da obra" e colocarmos, de um lado da balança, todas as qualidades daquele indivíduo (ou daquilo que estamos julgando) e, de outro, os defeitos. Assim, teremos uma crítica mais ponderada, mais justa.

2. não pensar o porquê de aquilo ser assim. Quais os reais motivos que levaram alguém a agir daquela forma? Por que tal lugar tem esses atributos? Por que este objeto é assim, e não assado? Muitas das críticas continuarão sendo sensatas pelo simples motivo de que todas as pessoas pensam de formas diferentes. Mas talvez amenizem seus defeitos se soubermos as razões para algo ser do jeito que é.

Quantas vezes não nos fazemos de cegos para as coisas valorosas da vida e das pessoas, simplesmente porque elas são diferentes do que nós pensamos?

Faça o seguinte exercício: sempre que for criticar algo ou alguém, procure antes ao menos UMA qualidade. Fale em voz alta. Perceba como o peso da crítica será menor.

E você será mais feliz.

Um ótimo feriadão a todos!

Abraços sustentáveis,

MARCIO ZEPPELINI


Para cada bela borboleta, uma mera lagarta .

Marcio Zeppelini

PARCEIROS VER TODOS