Está decepcionado com as pessoas ao seu redor?

Por: Marcio Zeppelini
17 Outubro 2014 - 16h46

Samurai Sunset by SeanE

Um bom lugar para viver

 Conta uma lenda popular do Oriente que um jovem chegou à beira de um oásis junto a um povoado e aproximou-se de um velho Samurai e perguntou-lhe:

- Que tipo de pessoa vive neste lugar?

- Que tipo de pessoa vivia no lugar de onde você vem? - perguntou por sua vez o ancião.
- Oh, um grupo de egoístas e malvados - replicou o rapaz - Estou satisfeito de haver saído de lá!
- A mesma coisa você haverá de encontrar por aqui – replicou o velho, sorrindo sorrateiramente.

No mesmo dia, um outro jovem se acercou do oásis para beber água e vendo o ancião, fez a mesma pergunta do primeiro rapaz, obtendo a mesma resposta do ancião:

- Que tipo de pessoa vivia no lugar de onde você vem?
- Ahhh.... lá era tudo ótimo: havia um magnífico grupo de pessoas, amigas, honestas e hospitaleiras. Fiquei muito triste por ter de deixá-las.
- Fique tranquilo, rapaz. O mesmo você encontrará por aqui - respondeu o ancião.

Um homem que havia escutado as duas conversas perguntou ao velho:
- Como é possível dar respostas tão diferentes à mesma pergunta?
- Cada um carrega no seu coração o meio em que vive. Aquele que nada encontrou de bom nos lugares onde passou, não encontrará coisas boas por aqui também. Aquele que encontrou amigos ali, também os encontrará aqui.

Quem faz um lugar são as pessoas.
Quem escolhe as pessoas é você!

Nossa atitude mental é a única coisa em nossas vidas sobre a qual podemos manter o controle absoluto. O que faz de um lugar ser bom ou ruim é o sentimento que você mesmo depositou. Isso ocorre num lugar visitado, num emprego, numa roda de amigos.

É comum que nós estejamos absolutamente confortáveis com algumas pessoas e, poucos dias depois, a satisfação de estar com as mesmas pessoas talvez não seja a mesma que outrora. Isso porque você está carregando alguma coisa que em nada tem a ver com esse grupo de amigos.

Ou seja: não importa onde esteja ou com quem esteja, encontre os pontos positivos daquele lugar ou indivíduo. Evite ficar medindo os pontos fracos. Você perceberá imediatamente o quanto aquele ambiente te faz bem!

No trabalho, idem: não adianta você buscar outro emprego se você não consegue separar os pontos fortes e fracos deste seu atual. Somente com tudo na balança é possível ter consciência de que vale ou não a pena.

Abraços sustentáveis.

MARCIO ZEPPELINI


Nota de Rodapé:

"Afinal, se a gente não se divertir o que é que a gente vai fazer?”

Elis Regina


PARCEIROS VER TODOS