Você se acha preso para alcançar novos horizontes?

Por: Marcio Zeppelini
26 Outubro 2014 - 13h44

Galinha

A Galinha Presa!

Numa granja uma galinha se destacava entre todas as outras por sua coragem, espírito de aventura e ousadia. O dono, porém, não apreciava essas qualidade. Suas atitudes estavam contagiando as outras, que achavam bonito este modo de ser e já a estavam copiando.

Um dia o dono fincou um bambu no meio do campo, arrumou um barbante de aproximadamente 2 metros e amarrou a galinha a ele. Desse modo, de repente, o mundo tão amplo que a ave tinha foi reduzido a exatamente onde o barbante lhe permitia chegar. Ali, ciscando, comendo, dormindo, estabeleceu sua vida. De tanto andar nesse círculo, a grama que era verde foi desaparecendo e ficou somente terra.

Depois de um tempo o dono se compadeceu da ave, pois ela que era tão inquieta e audaciosa, havia se tornado uma pacata figura. Então cortou o barbante que a prendia pelo pé e a deixou solta.

Agora livre, o horizonte seria o limite, poderia ir onde quisesse. Mas, estranhamente, a galinha, mesmo solta, não ultrapassava o limite que ela própria havia feito. Só ciscava e andava dentro do círculo, seu limite imaginário. Olhava para o lado de fora, mas não tinha coragem suficiente para se "aventurar" a ir até lá. Com o passar do tempo, envelheceu e ali morreu.

Você nasceu livre, tendo somente seus desejos como limite!

As pressões do dia-a-dia fizeram com que, aos poucos, seus pés ficassem presos a um chão que se tornou habitual pela rotina. Olha para além do limite, que você mesmo criou e alimenta suas fantasias. Mas não tem a coragem para sair e enfrentar o que é desconhecido. E ainda diz: "Sempre foi assim, para que mudar? Meu pai sempre fez assim, porque seria diferente comigo?”

Sair dessa “Zona de Conforto” significa se “arriscar”. Pergunto então: esse é um verbo que você não conjuga com frequência em sua vida? Uma pena, pois significa que o mundo será sempre esse círculo criado por seus medos e culpas.

Uma dica é praticar o “risco”. Conforme você arrisca coisas menores e vê que não as perde, ou ainda vê que a transformação é para melhor, começa a perder o medo, dando lugar à confiança para arriscar coisas maiores.

Vá lá: perca um dia de descanso para conquistar algo interessante ou um dia de trabalho para ganhar alguns minutos de prazer. Uns trocados aqui ou ali para conquistar um sonho. Perca um pouco de medo para falar aquilo que pensa. Se arrisque mais. Ouse mais.

Abraços sustentáveis,

PARCEIROS VER TODOS