Vôo Livre

Por: Marcelo Torrecilas
01 Novembro 2003 - 00h00
As grandes portas de vidro que dão para a varanda estão abertas. É uma tarde quente de final de inverno.

Um homem liga o rádio em seu apartamento, roda um ou dois programas e coloca os fones de ouvido, o que faz o som externo desaparecer instantanea­mente.

Do quadrado preto no chão surge uma bateria holográfica de vinte peças. O homem se posiciona e apanha as baquetas. A música começa e ele entra com a bateria: acompanha a cadência em princípio, mas, empolgado, se deixa levar pelo ritmo, fazendo diversos riffs de improviso, brincando à vontade nos tambores. Ao sentir-se aquecido e inspirado, interrompe o treinamento, vai até o aparelho e faz algumas novas configurações. Volta para o instrumento e outra música se inicia.

Uma leve brisa desencosta a porta que estava entreaberta. Nesse instante uma bolha de sabão entra no quarto sem ser vista. Ela flutua tranqüilamente pelo recinto e pára diante do rosto do homem por alguns segundos. A bolha volta a se movimentar e segue através da fresta da porta até chegar à sala, onde uma mulher, também com fones, assiste a um filme de época.

Na tela, várias cenas se sucedem: um Drakkar Viking luta contra um mar gelado e de mau-humor; um tuaregue cruza o deserto sobre um dromedário; um esquimó atravessa um enorme abismo de gelo com o trenó; um índio rema sua piroga cheia de caça rio acima, em plena selva amazônica; um astronauta flutua pelo espaço, amarrado à nave apenas pelo “cordão umbilical”, e outro pisa pela primeira vez no solo da lua. Certa cena de noticiário televisivo mostra duas legendas: a primeira diz “estranhas luzes no céu da capital” e a segunda, embora a matéria já fosse muito antiga, ainda insiste em falar “ao vivo”.

A bolha se afasta e sai pela janela, distanciando-se do prédio. Ela aos poucos revela o formato de um grande “bolo” sustentado por uma haste, que o eleva sobre uma densa camada de nuvens. Ao redor, diversos edifícios com o mesmo aspecto.

Passeando a grande velocidade, a bolha costura seu caminho por entre as magníficas estruturas. Em determinado ponto, mergulha nas nuvens. Ao atravessar a camada inteira, revela forte tempestade tropical em uma antiga metrópole abandonada.

Simetricamente dispostas estão as gigantescas fundações das torres e algumas poucas áreas são reservadas a equipes de estudiosos. Tudo cuidadosamente cercado e protegido.

A cidade por completo – edifícios grandes e pequenos, construções de todos os tipos e tamanhos, ruas e avenidas, túneis, pontes e viadutos – tudo havia sido previamente limpo, devidamente desocupado e solenemente entregue às mãos da natureza, para ela dispor como quisesse.

As “marcas” que a humanidade deixou na superfície acabaram por se tornar morada para o resto dos habitantes do planeta. Subsolos de prédios viraram cavernas, os lagos dos parques servem de lar para peixes, os apartamentos e casas passaram a abrigar milhares de famílias de pássaros, leões, zebras, vacas, cachorros, gatos, enfim, todos os gêneros descendentes dos antigos animais de estimação e daqueles libertos das jaulas de zoológicos e gaiolas, que aprenderam a lidar com esse novo cenário, deixado por uma raça que, finalmente, evoluiu.

A bolha vaga um pouco por tal selva e volta a ganhar altitude, passando novamente pelas nuvens e “bolos”, subindo gradativamente... No meio do caminho, ela se detém por alguns instantes. Daqui de cima, a impressão é de se ver vários percevejos espetados em uma imensa almofada de algodão. Retomando sua jornada, a pequena bolha ultrapassa rapidamente os limites da atmosfera da Terra. Quanto mais distante, mais se percebe a real dimensão desse corpo celeste.

A bolha de sabão dá algumas voltas ao redor do planeta e assume uma órbita estacionária. Num salto ela dispara, deixando longo rastro brilhante, que durou apenas o suficiente para denunciar sua rota em direção ao nosso Sol...

Sol que ainda estará brilhando muito acima de nossas cabeças e tempestades...

Acima da tecnologia e das nossas atitudes...

E sobre qualquer que seja a nossa história...

... nessa POSSÍVEL tarde quente de final de inverno, começo de verão do ano de 2173.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.827
Oportunidades Cadastradas
9.593
Modelos de Documentos
3.162
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
30 Abr
2020
Dubai International Best Practices Award
Prazo
20 Mar
2020
16ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas...
Prazo
6 Mar
2020
2020 DRL Internet Freedom Annual Program Statement
Prazo
6 Mar
2020
Children’s Peace Prize 2020
Prazo
21 Mai
2020
Zayed Sustainability Prize 2021
Prazo
30 Jun
2020
Prêmio Internacional de Seguros Julio Castelo Matrán
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas
Prazo
31 Mar
2020
Edital X - Fundo Dema - Fortalecer a Agroecologia a...
Prazo
20 Mar
2020
IX Prêmio Fotografia-Ciência & Arte - CNPq
Prazo
8 Abr
2020
Research Enrichment – Public Engagement

PARCEIROS VER TODOS