Planejamento da captação de recursos

Por: Andrea Goldshimdt
01 Outubro 2005 - 00h00

Captador de recursos é a pessoa certa, que solicita a quantia exata, no momento adequado, ao potencial doador, para cada uma das causas ou ações que a entidade desenvolve. Pode parecer um pouco difícil conjugar adequadamente todas as variáveis, mas essa é, sem dúvida, a fórmula do sucesso de qualquer plano de mobilização de capital.

Sair sem rumo para apresentar a proposta da organização a todo e qualquer potencial doador, como muitos ainda fazem, além de ser bastante oneroso, tende a ser extremamente desgastante. A falta de planejamento adequado resulta em abordagens sem resultado, desmotivando o captador e todas as pessoas diretamente relacionadas à entidade.

É preciso, portanto, selecionar melhor os potenciais doadores e apresentar a eles propostas mais adequadas às suas expectativas. Agindo assim, pode-se abordar um número muito menor de pessoas e empresas com resultados significativamente melhores.


Qual é o potencial doador correto?

A resposta é: deve-se pesquisar. A mobilização de capital é uma atividade muito similar à venda, e qualquer bom vendedor sabe que é muito difícil vender algo que o cliente não necessita. Por isso, todo vendedor procura identificar grupos de consumidores que necessitem do produto que tem a oferecer, aumentando as chances de sucesso.

Com captação de recursos é a mesma situação. É preciso haver sinergia entre os interesses do doador e o serviço prestado pela organização que solicita os recursos. Talvez seja mais difícil captar recursos que vender um produto, já que na área social o doador dos recursos e o beneficiário dos serviços prestados pela organização são, em geral, pessoas diferentes.

No caso, deve-se convencer o potencial doador a investir em uma ação que beneficiará terceiros. A tarefa é encontrar doadores que se preocupem com a causa, que estejam dispostos a investir em ações que trarão mais benefícios diretos para terceiros que para ele mesmo. A partir dessa pesquisa, monta-se um banco de dados de potenciais doadores com os quais irá se relacionar.

Grande parte das empresas, fundações e órgãos financiadores do Terceiro Setor tem interesse em doar a causas ou ações específicas e pré-determinadas, o que facilita, e muito, o trabalho. Por meio de pesquisas na internet, de observação do comportamento de doadores, de informações em jornais, revistas ou de troca de informações com outros captadores, é razoavelmente fácil identificar as áreas de interesse para doação de vários potenciais investidores.

Se for um projeto de educação, por exemplo, de nada adianta apresentá-lo a uma instituição que historicamente só investe em ações de saúde. É preciso ter foco. Enviar menos projetos, mas para os financiadores corretos.


Quando enviar?

Muitas instituições financiadoras têm prazos para recebimento de projetos que precisam ser respeitados. No caso de empresas, é comum que a doação só aconteça se estiver prevista no orçamento do exercício seguinte. Observar os prazos é fator determinante para o sucesso da captação, e a montagem de um cronograma de abordagens pode ajudar muito nesse sentido. Quando se conhecem as datas em que os projetos devem ser encaminhados, organizar os envios para que sejam feitos sempre dentro do prazo é muito mais fácil.


Quanto pedir?

A quantia solicitada precisa ser adequada às necessidades e ao potencial de doação do futuro parceiro. Pedir um valor muito alto a um investidor que só poderia doar uma quantia pequena pode desmotivá-lo, já que a sua doação não contribuiria muito com a solução do problema.

No outro extremo, ao pedir uma quantia baixa a quem poderia doar um valor significativamente maior é possível que se perca uma boa oportunidade de conseguir mais recursos e, em alguns casos, até não receber a doação – muitos doadores não gostam de doar quantias muito pequenas porque isso dificulta seu trabalho de controle e monitoramento dos projetos apoiados.


Como requerer a doação?

Igualmente importante é decidir como será feita a abordagem, mais especificamente quem deve apresentar a proposta para cada potencial doador identificado.

Nem sempre o captador de recursos é a pessoa mais adequada para fazer a apresentação. De maneira geral, quanto mais pessoal for o contato, melhor. Por isso, buscar dentro da organização – entre funcionários, voluntários e simpatizantes – pessoas que conheçam o futuro parceiro é uma forma mais eficiente de iniciar o trabalho.

Se a pessoa não puder participar da apresentação, talvez ela possa abrir portas¸ enviando uma mensagem ou entrando em contato com o potencial doador, para dizer que apóia o trabalho da entidade e que gostaria de enviar um representante para apresentar a proposta de parceria. Como os doadores recebem um número grande de propostas, muitas vezes é importante para eles terem uma referência pessoal que os ajude a decidir por um ou outro projeto.

Mesmo quando não há uma indicação direta, é preciso seguir algumas regras de etiqueta: ao ser recebido pelo presidente da empresa patrocinadora, é importante que o dirigente da organização solicitante também esteja presente. O doador pode se sentir desprestigiado caso o captador não tome esse cuidado.

Planejar todas as atividades é bastante trabalhoso, mas aumenta significamente a eficiência da captação, diminuindo custos e motivando todos os envolvidos com a obtenção de resultados mais rápidos. Por isso, sem dúvida, vale a pena investir algum tempo nas etapas de planejamento, antes de sair buscando recursos sem rumo certo.

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book Como começar uma⠀ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book 18 PASSOS essenciais para ajudar sua ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

PARCEIROS VER TODOS