O cidadão e a responsabilidade socioambiental

Por: Livio Giosa
01 Março 2008 - 00h00

O conceito de responsabilidade social tem sido, há algum tempo, discutido em sua plenitude pela sociedade mundial e brasileira. Em todo este período, o pensamento, retratado na visão estratégica, investimento social privado e construção de programas/projetos sociais, tem como ponto focal a empresa.

Aos poucos, o mundo corporativo foi tomando conta do tema, irradiando-se nos meandros institucionais. Sensibilizar a alta administração, a governança corporativa, e alicerçar essas iniciativas ao core business, envolvendo o corpo funcional e os stakeholders, são motes e expressões recorrentes que mobilizam as organizações.

Ainda mais quando todas as ações precisam, então, ser formatadas adequadamente, gerando o Relatório Social e o Balanço Social, resguardados sob o olhar do marketing de causa. O conjunto deste envolvimento, no entanto, tem de agora ser questionado.

Novos sinais nos alertam. O efeito estufa, o aquecimento global, o desequilíbrio social são marcas evidentes que mexem com o estado maior do ser humano: sua própria vida! A corporação necessita ser vista, então, como um meio para atingir cada cidadão do mundo, usando da sua força para conscientizar um a um.

Afinal de contas, somos nós que participamos e compomos a sociedade. Somos nós que estamos nas empresas, fazendo-as funcionar. Somos nós, profissionais, que estamos tentando envolver cada vez mais a empresa para este engajamento ético e social.

Portanto, o indivíduo, o cidadão (que somos nós) é o grande agente de transformação do processo. Que não está só nas empresas e, sim, em todos os ambientes em que atua, podendo fazer a diferença pelos seus atos. Nada irá mudar na sociedade se não houver ampla campanha voltada para uma radical mudança do comportamento humano sobre estas questões.

Cidadãos conscientes pela causa social e ambiental, no mundo todo, puxarão a corrente que poderá minimizar todos os males com os quais convivemos hoje, em relação aos problemas ambientais e ao desequilíbrio social. Os veículos de comunicação, que fazem a linha direta de envolvimento com a massa e o coletivo, têm papel fundamental na história futura da sociedade.

Formar “exércitos do bem”, com valores éticos e de consciência da cidadania, é o desafio da humanidade. O universo tem pressa; precisa respirar a sua sobrevida. O universo precisa de nós!

Nada irá mudar na sociedade se não houver ampla campanha voltada para uma radical mudança do comportamento humano sobre estas questões


Lívio Giosa. Vice-presidente da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB) e coordenador-geral do Instituto ADVB de Responsabilidade Social (Ires).
EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
22.766
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
4.060
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
3 Mai
2021
25º Concurso Inovação no Setor Público
Prazo
26 Abr
2021
15º Edital Funcultura Audiovisual
Prazo
Contínuo
Super Desafio COVID-19 - Startups
Prazo
21 Mai
2021
Projetos Sociais por Leis de Incentivo 2021
Prazo
14 Mai
2021
Edital de Seleção - Projetos Sociais
Prazo
11 Mai
2021
Prince Claus Seed Awards 2021
Prazo
10 Mai
2021
Para Mulheres na Ciência 2021
Prazo
Contínuo
Adobe Creative Residency Community Fund
Prazo
17 Mai
2021
PhotoContest 2021
Prazo
23 Mai
2021
9ª Convocatoria de Ayudas

PARCEIROS VER TODOS