Nova presidente do CNAS

Por: Marcio Zeppelini
01 Setembro 2003 - 00h00

A nova presidente do CNAS, Valdete de Barros Martins, acaba de tomar posse como sucessora de Antônio Brito, que deixou o cargo em agosto. Em entrevista exclusiva à Revista Filantropia, ela fala de seus planos para o Conselho Nacional de Assistência Social.

Quais são suas propostas para o CNAS? Quais os maiores desafios?

Ao assumir a direção do CNAS, conjuntamente com o conselheiro Carlos Ajur, procurarei dar continuidade às deliberações já realizadas pelo CNAS, na perspectiva de consolidar efetivamente a Política de Assistência Social como componente da Seguridade Social. Por outro lado, destaco a necessidade de aprofundar o debate sobre algumas questões importantes no processo de reconhecimento da Assistência Social como política pública estratégica no enfrentamento da pobreza e exclusão social no Brasil. Os desafios são inúmeros e passam pela necessidade de garantir condições operacionais, técnicas e políticas no sentido de o CNAS cumprir seu papel, não só em qualificar a questão da gratuidade, como também responder ao pela co-gestão da Assistência Social.

Com a transferência da palavra final sobre as certificações do CNAS para o Ministério da Previdência, como ficará o papel do CNAS?

O CNAS, ao conceder o certificado, possibilita à instituição solicitar a isenção da cota patronal, desde que proceda a realização de atendimento gratuito aos segmentos destinatários da Política de Assistência Social.

A Previdência Social deve proceder com rigor o cumprimento relativo ao percentual de gratuidade, por parte da instituição, pois falamos de recursos públicos e o tratamento dado ao dinheiro público deve ter critérios, regras, prestação de contas, já que o objetivo é contribuir e cumprir com a concretização das ações sociais.

O que de fato houve foi a transferência, ao Ministro da Previdência Social o mérito quanto a decisão do CNAS na concessão do Certificado. Acredito que ocorreu sobreposição de papéis, pois tal responsabilidade deveria continuar com a Ministra da Assistência Social, Benedita da Silva.

Como evitar o funcionamento de entidade “pilantrópica”? Há propostas sobre a fiscalização que é feita hoje?

Essa questão tem, como fundo, um longo processo de clientelismo na política social brasileira. É preciso esclarecer que filantropia é diferente de assistência social: filantropia é equivalente à caridade que não pode ser feita com dinheiro público. Quando falamos de política pública, nos referimos a uma prestação de serviço dirigida ao cidadão. Então é importante existir regras claras, critérios, qualificar que medidas e ações as instituições podem realizar para receber a isenção de impostos. É preciso estabelecer um diálogo moderno, transparente e responsável para que governo, instituições e conselhos possam, de forma democrática, ter acesso à isenção da contribuição e à seguridade social, mediante o enquadramento na condição de Entidade Beneficente de Assistência Social, das entidades de Assistência Social, de Educação e de Saúde, conforme o art. 195 da Constituição Federal.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.094
Oportunidades Cadastradas
9.565
Modelos de Documentos
3.051
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
22 Dez
2019
UNDEF - 2019 Call to Civil Society to Apply for Funding...
Prazo
20 Dez
2019
Concurso Anual para Jovens - Mulheres Rurais: inovando...
Prazo
17 Abr
2020
Conservation Grant - Amphibian Ark
Prazo
16 Dez
2019
Bikeducação: Edital Itaú para Seleção de Projetos...
Prazo
16 Dez
2019
ONU / FIDA - Concurso de Fotografia “Juventude e...
Prazo
17 Jan
2020
Cisco Global Problem Solver Challenge 2020
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

PARCEIROS VER TODOS