Gestão da responsabilidade social: bondade ou interesse estratégico?

Por: Paulo Ivo
01 Novembro 2004 - 00h00

É melhor o desempenho econômico-financeiro de organizações compromissadas com a responsabilidade social, relativamente àquelas que não o são. Essa é uma das sinalizações do emergente mercado contando com empresas socialmente responsáveis, em que o investidor aporta suas aplicações a partir de uma filtragem tridimensional, analisando, sob o mesmo peso, as dimensões econômica, social e ambiental das organizações objeto dos seus interesses.
As empresas estão percebendo sua responsabilidade quanto à sua interação com as partes interessadas (stakeholders), notadamente em relação à comunidade onde estão inseridas. A ação social de empresas transcende a percepção tradicional e busca comprometer-se com objetivos e metas, integra-se aos demais sistemas de gestão existentes de forma pró-ativa, permite o envolvimento de cada colaborador e dá transparência aos projetos com o intuito de multiplicar as ações sociais, com o envolvimento de outras empresas, sem diminuir a importância do Estado nas questões fundamentais, tais como educação, saúde e segurança, buscando a regulamentação e a complementaridade.
Para regulamentar o interesse pela responsabilidade social, em 1997 foi criada a norma SA 8000, sob a coordenação da Social Accountability International (SAI), com sede em Nova Iorque. Modelada a partir de normas das famílias ISSO 9000 e ISO14000, a SA 8000 está indiretamente presente em SGIs (Sistemas de Gestão Integrados), mas com arcabouço de requisitos diferente daquele de suas fontes modeladoras e independente de outros sistemas de gestão. É um modelo internacionalmente reconhecido de como fazer a gestão com responsabilidade social, além de ser adotável por organizações de todos os portes.
Usualmente entendemos que a administração gerencial moderna de empresas, segundo critérios normativos internacionalmente aceitos, está associada à gestão da qualidade, notadamente por meio da utilização de padrões associados à qualidade (ISO 9000). Nos últimos anos, entretanto, tem havido uma tendência de se buscar a integração de vários sistemas, além da qualidade: segurança e saúde ocupacional (BS 8800, OHSAS 18001) e gestão ambiental (ISO 14001), sinal de uma visão mais holística de negócios que privilegia todas as partes interessadas com as quais tem uma interface e que, de alguma maneira, são impactadas pelas atividades de uma organização, inclusive a questão da sustentabilidade ambiental, na medida da importância da visão tríplice da dimensão social, econômica e ambiental.
A implantação da SA 8000 permite que os requisitos de responsabilidade social de uma empresa sejam bem definidos. Desenvolver, manter e executar políticas e procedimentos com o objetivo de gerenciar princípios, como saúde ocupacional e segurança no local de trabalho, por exemplo, são alguns quesitos que a empresa deve gerenciar.
Segundo Oded Grajew1, os diversos setores da sociedade estão redefinindo seus papéis com as empresas, adotando um comportamento socialmente responsável, juntamente com estados e sociedade civil, na busca da construção de um mundo melhor. Esse comportamento é caracterizado por uma coerência ética nas suas ações e relações com os diversos públicos com os quais interagem, contribuindo para o desenvolvimento contínuo das pessoas, das comunidades e de suas relações entre si e com o meio ambiente.
Entretanto, conforme alertado pela Revista Exame no lançamento do Guia de Boa Cidadania Corporativa2, a responsabilidade social não é algo que se possa medir com números e fórmulas matemáticas e seria inútil esperar pela existência de empresas perfeitas. É, todavia, possível que sejam estabelecidos critérios que permitam balizar o comportamento de responsabilidade social das empresas, focalizando os diversos públicos com os quais elas interagem: clientes internos, meio ambiente, fornecedores e subcontratados, consumidores, comunidade, governos e a sociedade em geral.
Um sistema de gestão de responsabilidade social como o que preconiza a norma SA 8000 promove melhorias no todo, abrangendo meio ambiente, saúde ocupacional e segurança, com a aderente condição de análises conforme convenções e recomendações da Organização Internacional do Trabalho (OIT), a Declaração Universal dos Direitos Humanos e a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança.
É também de conhecimento geral que a distribuição de renda no mundo é bastante desequilibrada: 10% de pessoas ricas, 10% de pessoas de renda média e 80% de pessoas com baixa renda. Assim, um dos desafios presentes é criar condições para que esse enorme contingente de pessoas seja atraído e possa começar a participar da economia em todos os países. Segundo Schmidheiny3, “a gestão socialmente responsável abre caminhos para a atuação internacional das empresas, propiciando acesso a mercados e capitais” e “nenhum negócio pode, de fato, ser conduzido com sucesso numa sociedade que fracasse”. Essa mesma visão é compartilhada por Peliano4 na medida em que empresários brasileiros estão cada vez mais envolvidos em ações em benefício das comunidades onde atuam e que são impactadas pelas atividades de suas empresas.
A SA 8000 é uma alternativa internacional comprovada de implementação e prática da responsabilidade social e componente importante para consolidação da imagem corporativa, melhorando os resultados do balanço social, num quadro em que novos desenhos da relação capital/emprego passam a compor o negócio.

Novo ambiente de negócios

Ao mesmo tempo em que a tradicional forma de interação entre empresas e sociedade continua tendo sua importância e mérito, na medida em que “filantropia e assistência social não tratam apenas de prestar assistência à coletividade gratuitamente”, segundo Monello5, percebe-se claramente um movimento pró-ativo na direção da gestão da responsabilidade e do compromisso social. Tampouco, essa nova onda de realização de negócios se insere como um modismo, de caráter passageiro e fortuito. Nem significa o que se denomina “marketing social”, pois nesse contexto da gestão do compromisso social empresarial busca-se privilegiar a todas as partes interessadas envolvidas com cada empresa, e não somente a divulgação comercial dos produtos e/ou serviços realizados e/ou prestados por ela.
A sociedade organizada dá mostras de aprofundamento na sua forma de pensar um mercado socialmente responsável, atenta aos bons resultados sociais e ambientais, além do econômico. Emergem novas regras para uma “lei da procura” que só aceitará “consumir” – comprar, aplicar, apoiar – produtos e serviços resultantes de ações retratadoras de comportamento ético, comprometidos com a ordem social (valorização do corpo de colaboradores, respeito a compromissos de prazos e pagamentos, ética nas relações, entre outros) e com a ordem ambiental (como gerenciamento de resíduos, a preservação dos recursos naturais e a ampliação da vida útil dos produtos).
A responsabilidade social – o respeito aos valores éticos, às pessoas, à comunidade e ao meio ambiente – se tornou fundamental para a estratégia de empresas que querem ter sucesso na economia globalizada. A reputação, de fato, se transformou no principal patrimônio das empresas e a certificação segundo a SA 8000 é uma das formas de demonstração dessa nova estratégia de negócios.
Esses novos desenhos da relação capital/emprego mostram ao stakeholder – agente econômico – que uma parcela importante do seu capital é representada por variáveis intangíveis, como o são a reputação, a marca e a credibilidade, refletidas no concreto em forma de responsabilidade social6.
A gestão da responsabilidade social em moldes sistematizados concretiza o conceito de que o compromisso com a área social não é apenas um plus no fortalecimento da reputação da empresa, mas uma característica tão essencial quanto a preservação do meio ambiente ou a prevenção de acidentes internos.7

1 - GRAJEW, ODED, SEMINÁRIO DE FUNDAÇÃO DO INSTITUTO ETHOS, INSTITUTO ETHOS, JUNHO 1999
2 - GUIA DA BOA CIDADANIA CORPORATIVA, REVISTA EXAME, EDIÇÃO 728, ANO 34, NO. 24, 29 NOVEMBRO 2000, PÁG. 32
3 - SCHMIDHEINY, STEPHAN, PLENÁRIA DE ABERTURA: RESPONSABILIDADE SOCIAL E INSERÇÃO COMPETITIVA DAS EMPRESAS BRASILEIRAS NA ECONOMICA GLOBAL, IV CONFERÊNCIA DO INSTITUTO ETHOS, 4-7 JUNHO 2002, NOVOTEL CENTER NORTE, SÃO PAULO, SP
4 - PELIANO, ANNA MARIA T. MEDEIROS, IPEA – WWW.IPEA.GOV.BR/ASOCIAL, BONDADE OU INTERESSE, IV CONFERÊNCIA DO INSTITUTO ETHOS, 4-7 JUNHO 2002, NOVOTEL CENTER NORTE, SÃO PAULO, SP
5 - MONELLO, SÉRGIO ROBERTO, FILANTROPIA E GRATUIDADES, REVISTA FILANTROPIA – VOLUNTARIADO & TERCEIRO SETOR, EDIÇÃO 12, ANO III, MAIO/JUNHO 2004, P. 32
6 - IVO, PAULO S., O PAPEL ESTRATÉGICO DA CADEIA DE FORNECIMENTO, REVISTA BANAS QUALIDADE, ABRIL 2004, P.
7 - Ivo, Paulo S., Gestão Socialmente Responsável – SA8000, Carta Educação Comunitária - Ano IV - no. 21 - Agosto/Setembro 1999:3

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.094
Oportunidades Cadastradas
9.565
Modelos de Documentos
3.051
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
22 Dez
2019
UNDEF - 2019 Call to Civil Society to Apply for Funding...
Prazo
20 Dez
2019
Concurso Anual para Jovens - Mulheres Rurais: inovando...
Prazo
17 Abr
2020
Conservation Grant - Amphibian Ark
Prazo
16 Dez
2019
Bikeducação: Edital Itaú para Seleção de Projetos...
Prazo
16 Dez
2019
ONU / FIDA - Concurso de Fotografia “Juventude e...
Prazo
17 Jan
2020
Cisco Global Problem Solver Challenge 2020
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

Cursos Relacionados

PARCEIROS VER TODOS