Dudu Braga

Por: Paula Craveiro
01 Julho 2007 - 00h00
Quem não o conhece, ou nunca trocou uma palavra sequer com ele, corre o risco de tratá-lo superficialmente pelos títulos “filho de Roberto Carlos”, “segundinho” ou ainda, como a reportagem brincou pouco antes de iniciar essa entrevista, “filho do rei”. Sim, de fato ele é filho do cantor e ídolo Roberto Carlos – e com muito orgulho! Porém, muito mais do que isso, Dudu Braga é um exemplo de superação, simpatia e bom humor.
Ainda jovem, aos 22 anos de idade, naquela fase em que “a jornada está apenas começando”, Dudu foi submetido a uma das provas mais difíceis de sua vida. Após anos de luta contra um glaucoma congênito, ele perdeu a guerra e a visão, em razão do descolamento da retina.
Atualmente, possui apenas 5% de visão no olho esquerdo. Mas com o apoio da família e de amigos, e com grande força de vontade e determinação, Dudu superou o que para muitos seria o fim do mundo.
Hoje, aos 38 anos, ele está casado, é pai de duas crianças – Giovanna e Gian Pietro –, toca bateria, já foi produtor musical, continua apaixonado por esportes e apresenta os programas As Canções que Você Fez para Mim, na Rádio Nativa FM, no qual apresenta os maiores sucessos da carreira do pai, e Ressoar, na TV Record, voltado para a divulgação das boas ações do setor social brasileiro.
Aliás, a ligação de Dudu com o Terceiro Setor não é novidade. Com o engajamento e incentivo dos pais, desde criança esteve envolvido com projetos nacionais e internacionais. Mas, somente ao participar da fundação de uma entidade, em 1996, é que ele mergulhou de cabeça nessa área, tornando-se, hoje, um importante expoente da luta pela inclusão social.
De cabeça erguida e com um largo sorriso estampado no rosto – e que se estende à voz –, Dudu fala dos desafios que a sociedade civil organizada enfrenta para tornar o Brasil um país mais justo e prova, nesta entrevista exclusiva à Revista Filantropia, que a deficiência é apenas uma condição e não uma limitação.

Revista Filantropia: Quando e como começou sua relação com o setor social?
Dudu Braga: Meus pais sempre foram envolvidos em projetos sociais. Principalmente minha mãe [Cleonice Rossi, a Nice]. Tanto que meu pai a conheceu quando ela foi procurá-lo para pedir um show beneficente para a Creche São Judas Tadeu. Além disso, meu pai também sempre esteve aberto à questão, embora nunca tenha criado uma instituição ou fundação própria, como muitos artistas fazem. Entretanto, em seus shows, por exemplo, invariavelmente há uma cota de ingressos de caráter beneficente.
Já meu primeiro contato com o setor social foi em 1979, no Dia Internacional da Criança, promovido pela Unicef – bem antes da criação do Criança Esperança. Na época, eu estava com nove ou dez anos e, obviamente, não tinha a menor idéia do que era filantropia nem nada parecido. Até então, meu único contato com esse mundo acontecia apenas em finais de ano, quando minha mãe levava um pequeno grupo de crianças da creche para passar o Natal conosco lá em casa. Era bem gostoso. Mas comecei a me envolver verdadeiramente com o setor social em meados de 1996, com a Associação Meninos do Morumbi (SP), da qual fui um dos fundadores.

“Conseguimos mostrar para todo o Brasil o deficiente como alguém normal e totalmente capaz, e não mais no papel de coitadinho, de inválido, como costumava ser apresentado na mídia”

Filantropia: Fale-nos um pouco sobre essa associação.
DB: A Associação Meninos do Morumbi foi fundada há pouco mais de dez anos por um amigo meu, o percursionista Flávio Pimenta, que também era meu professor de bateria. Lá são oferecidos cursos de música, inglês, artes, esportes e inclusão digital. Mas, o mais bonito é que os trabalhos desenvolvidos não são voltados única e exclusivamente à população de baixa renda da região. Eles estão abertos a todos os que tenham interesse em participar. Na ONG, brancos e negros, ricos e pobres, deficientes ou não, todos tocam juntos, em condição de igualdade. Não existe diferenciação entre os jovens participantes, não existe preconceito. Essa integração é muito emocionante.

Filantropia: Com quais áreas você mantém relação mais próxima?
DB: Para falar a verdade, não tenho envolvimento com nenhuma área ou causa específica. Como antes eu trabalhava com música – eu era produtor musical –, passei a desenvolver trabalhos semelhantes com os Meninos. Inclusive, chegamos a gravar um CD. Alguns anos mais tarde, fui convidado a participar de um programa-piloto de televisão, no qual eu entrevistaria portadores de deficiência. Pediram que, tomando por base as canções de meu pai, sugerisse um nome do programa. Optei por É preciso saber viver. O nome é ideal para a proposta do programa.

Filantropia: Inclusive, esse foi o nome do programa fictício que você apresentou na novela América (Rede Globo, 2005).
DB: Exato. Esse piloto acabou se transformando em uma participação especial em América, a convite da Glória Perez. Foi uma experiência fantástica! Uma grande oportunidade de crescimento profissional e pessoal, principalmente. Ali, tive a possibilidade de conhecer muita gente interessante, muitas experiências incríveis. Pude ver, pela maneira como os entrevistados encaravam seus problemas, o quanto os deficientes podem ser, e realmente são, fortes. Foi a partir desse contato mais próximo com outros deficientes que passei a me engajar mais na questão da inclusão social.
Outra coisa bem interessante era o retorno que eu recebia a cada participação na novela. O que mais me espantava e emocionava era o fato de que a maioria dos contatos partia de pessoas que não eram portadoras de nenhum tipo de deficiência ou que não tinham qualquer envolvimento com causas relacionadas à deficiência. Foi muito gratificante saber que conseguimos sensibilizar várias pessoas, e de uma maneira bastante positiva e construtiva. Conseguimos mostrar para todo o Brasil o deficiente como alguém normal e totalmente capaz, e não mais no papel de coitadinho, de inválido, como costumava ser apresentado na mídia.

“Ao proporcionarmos uma educação de qualidade, estamos automaticamente contribuindo para o controle e redução de todos os problemas sociais”

Filantropia:
Por sua experiência, quais os temas que deveriam receber mais atenção por parte das organizações sociais e da administração pública?
DB: Essa é fácil de responder. Em primeiro lugar, eu diria educação. Em segundo, sem dúvida, educação, e, em terceiro lugar, educação. Para mim, não há nada mais importante do que isso. Todo o resto – redução da violência e da criminalidade, elevação da qualidade de vida, melhoria das condições de saúde – viria como uma conseqüência direta. Ao proporcionarmos uma educação de

qualidade, estamos automaticamente contribuindo para o controle e redução de todos os problemas sociais.

Filantropia: Em sua opinião, por que a responsabilidade socioambiental tem crescido tanto nos últimos tempos?
DB: Acredito que as pessoas estão se conscientizando sobre o que anda acontecendo no mundo. Estão começando a prestar mais atenção às mudanças climáticas; ao problema da camada de ozônio, cada vez mais prejudicada pela ação humana; ao nível do mar, que tem se elevado muito nos últimos tempos; ao efeito estufa; à emissão de carbono.
O planeta percebeu o papel fundamental do homem na questão ambiental. Até sentir os efeitos adversos causados pelo desequilíbrio ambiental, o homem julgava ser totalmente independente desse meio, se considerava superior a tudo isso. Agora, a população mundial está, de fato, começando a compreender que os chamados “ecochatos” dos anos 1980 e 1990 tinham muita razão em suas críticas e que eles não eram meros alarmistas.

Filantropia: Você acredita que seja real a preocupação dos empresários com o desenvolvimento do país ou essa atitude é apenas uma ação de marketing?
DB: Existe de tudo nessa vida. Claro que tem os que realmente levam essa questão a sério e querem ver a situação mudar para melhor o mais rápido possível. Ainda bem que existem esses aí! Só que sabemos que também há os oportunistas, os empresários que querem aproveitar um problema real para promover a si próprios e suas empresas como santinhos. Mas, apesar de agir de modo interesseiro e antiético, o que importa é que eles também estão fazendo a sua parte.
Acredito que esse processo de conscientização seja gradativo. Aos poucos, isso se tornará uma ação automática, uma preocupação real, mesmo que tenha sido inicialmente feita apenas para seguir uma tendência ou por simples autopromoção.

“Acredito que todos têm de fazer alguma coisa em favor da coletividade. Para mim, ser consciente é uma obrigação”

Filantropia: Qual o papel do Estado na construção de um Brasil menos desigual?
DB: Política e consciência social são termos que soam antagônicos... O Estado tem a mania (ou obrigação) de se meter em tudo, já que sua função essencial é ser agente regulador. Porém, o que nós realmente queremos e precisamos e o que o Estado faz é bastante diferente. Leis nós temos. Só não temos quem as cumpra corretamente. Assim, o papel de agente promotor do equilíbrio e do bem-estar social acaba, por conta da inatividade ou ineficiência do Estado, recaindo sobre a população em geral, sobre o cidadão comum, que deveria ser protegido.

Filantropia: Nesses anos à frente de programas de rádio e televisão, que histórias, projetos ou atores sociais mais te emocionaram?
DB: Caramba, foram tantos! Vi muitas coisas que, para mim, não passavam de tapa-buraco. Mas a maioria era louvável. Os Meninos do Morumbi é um desses casos. Qualquer pessoa, independente de condição financeira, cor ou crença, é bem-vinda. Basta ter vontade de participar. A Dorina Nowill é outro exemplo. Ela começou a atuar em uma época em que deficiência era sinônimo de invalidez, de inutilidade. Imagina só a barra pesada que ela enfrentou!
Uma ação que eu acho bem legal é o Um Dia de Fazer a Diferença, que foi promovido pela Rede Record no ano passado. Gostei bastante dele por ser um projeto que exige a participação, não apenas a doação, o assistencialismo. Tirar uma nota do bolso é muito mais fácil e cômoda do que trabalhar o dia inteiro para beneficiar pessoas que nem sabemos quem são. Com essa ação, somos estimulados a sair de nossas casas, a integrar algum grupo e realizar uma determinada atividade. É o tipo de trabalho que faz com que nos sintamos verdadeiramente úteis.

Filantropia: De zero a dez, que nota você daria ao Terceiro Setor brasileiro?
DB: Com certeza, nota 10. Não poderia ser menos do que isso. O Terceiro Setor no Brasil é impressionante e bastante organizado. Estamos um passo a frente de muitos países desenvolvidos. Até porque isso já faz parte do brasileiro. Somos, por natureza, um povo de coração aberto, receptivo e solidário.

Filantropia: Você acredita que a falta de profissionalismo ainda é um entrave para o crescimento do setor social no país?
DB: Certamente. Isso é um fator muito importante, essencial para o crescimento e desenvolvimento desse setor. Sou totalmente a favor da profissionalização, mesmo que o Terceiro Setor fosse obrigado a operar sob regras e normas específicas. Quanto mais profissionalizado, melhor. Do contrário, as ações serão sempre feitas “nas coxas”, de qualquer maneira. Além disso, atuando de modo profissionalizado, o setor terá condições de atrair novos investidores e dar continuidade a bons trabalhos que já estão em exercício, terão a oportunidade de criar novos projetos; sem contar a geração de postos de trabalho e tudo mais que vem na seqüência.

Filantropia: Você concorda que, na ausência do Estado, a sociedade civil organizada deve substituí-lo na promoção da saúde, educação, cultura etc.?
DB: Na verdade, isso continua sendo um dever do Estado. Se a sociedade percebe que há necessidade de suprir certas demandas, é sinal de que o Estado está falhando em sua atuação. Mas essas falhas não o eximem de sua função. No caso da sociedade civil organizada, creio que o termo ideal seria participação, e não dever. E, nesse ponto, ela já está mobilizada, correndo atrás do prejuízo, já que quem deveria agir não age conforme o desejado.
Apesar de achar bastante forte a idéia de obrigação, que vem implícita em dever, de certa forma, acredito que todos têm de fazer alguma coisa em favor da coletividade. Para mim, ser consciente é uma obrigação.

Filantropia: Como você analisa a questão das políticas públicas voltadas aos portadores de deficiência no Brasil?
DB: Acredito que elas têm apresentado uma grande melhora. No ano passado, por exemplo, foi aprovada a lei do cão-guia, que beneficiou inúmeras pessoas. Mas, mesmo assim, ainda existe muito trabalho pela frente. Muitas coisas precisam ser revistas, repensadas, no sentido de efetivamente incluir o deficiente e portadores de mobilidade reduzida. Até porque, não somos apenas meia dúzia de pessoas e, sim, aproximadamente
24 milhões de brasileiros.

Filantropia: Como foi o período de adaptação após a perda da visão?
DB: No comecinho foi duro. Principalmente para o meu pai. Graças a Deus, pôde me oferecer uma boa estrutura, pôde correr atrás de ótimos médicos. Enfim, fez tudo o que estava a seu alcance. Só que não deu certo. Aconteceu o que nenhum de nós queria. Para ele, que sempre foi um paizão, foi muito difícil aceitar isso.
Para mim, o primeiro choque foi me acostumar com a perda da minha liberdade, do meu direito de ir e vir. Nos dois primeiros anos, fui me adaptando e me acostumando com minha nova condição. Fiquei com a cabeça cheia de questionamentos. O apoio da minha família e amigos e o meu eterno bom humor foram fundamentais nessa fase.
Uma coisa que me incomodou demais foi a falta de informação. É muito difícil ser deficiente em um país como o Brasil! Até bem pouco tempo, deficiente era obrigado a se informar apenas por meio de rádio. Eu adoro rádio, mas é preciso mais do que isso. E essa era a única forma possível de contato com o mundo. Jornais, revistas, livros, internet, eram artigos praticamente impensáveis. Mas, felizmente, hoje em dia isso está mudando.

Filantropia: Quais foram os aspectos mais difíceis?
DB: Depois que perdi a visão, felizmente não tive nenhum tipo de problema no campo profissional, mas sentimentalmente fiquei muito abalado. Para ajudar, também não consegui aprender o braile, sou “analfabraile”. Eu conhecia alguns artistas que eram cegos, como Serginho de Sá e Stevie Wonder, mas não fazia a mínima idéia de como era a vida dessas pessoas, como era o dia-a-dia de cada uma delas.
Na época em que isso aconteceu, eu tinha uma namorada, que acabei perdendo em função da deficiência. Aí fiquei pensando: “Será que vou conseguir suprir esse lado?”. Isso me deixou bem preocupado. Mas depois de um tempo comecei a adotar algumas táticas, a ir a lugares em que estava familiarizado, para não dar gafes, para me sentir mais seguro. Aos poucos fui desencanando, embora o preconceito exista mesmo. Aliás, sentia-o na pele constantemente, pois as pessoas se afastavam. Quando a gente lida com a deficiência de forma natural, depois se acostuma. Agora está tudo bem.

Filantropia: Como você lida com a deficiência no seu dia-a-dia?
DB: Hoje em dia, eu encaro tudo numa boa. Mesmo diante de todos os tratamentos e cirurgias que eu fiz, essa era uma situação até previsível. Apesar de eu nunca ter parado para pensar nisso como uma possibilidade concreta até os meus 22 anos, quando isso realmente aconteceu, parecia que eu já estava me preparando. Não dá para falar que eu aceitei bem logo de cara, que eu não me abalei. Não dá para encarar bem uma situação desse tipo. Tive minhas crises, aquela sensação horrível de “minha vida acabou”. Mas, aos poucos, fui aprendendo a lidar com o fato. Hoje, até brinco com isso. Não adianta eu ficar me torturando, não é? Chorar não vai reverter a situação.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
10.224
Oportunidades Cadastradas
8.077
Modelos de Documentos
2.206
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
24 Set
2018
World Food Programme - Fighting Hunger Worldwide
Prazo
1 Dez
2018
The Prince Claus Fund 2nd Open Call: First Aid to Documentary...
Prazo
17 Out
2018
Banco de Projetos do Fundo de Defesa de Direitos Difusos
Prazo
30 Set
2018
II Concurso Literário da Revista “Aspas Duplas
Prazo
23 Out
2018
III Concurso de Crônicas Ivone dos Santos
Prazo
28 Set
2018
Pautas do Espaço Cultural Banco da Amazônia
Prazo
27 Set
2018
IX Concurso Nacional Pérolas da Literatura
Prazo
25 Set
2018
Apoio a Atividades de Monitoria em Divulgação Científica...
Prazo
15 Out
2018
Programa Capes/Iiasa de Pós-Doutorado
Prazo
15 Out
2018
Programa CAPES/IIASA de Doutorado Sanduíche
Prazo
Contínuo
Política de Patrocínios da CEMIG
Prazo
11 Out
2018
Edital LGBT+ Orgulho
Prazo
22 Out
2018
WORLDLABS - Elevating Ideas Competition
Prazo
10 Out
2018
Seleção e Contratação de Atividades Culturais para...
Prazo
30 Set
2018
Prêmio Bambolê de Literatura
Prazo
28 Set
2018
Chamada CNPq/Petrogal Brasil S.A
Prazo
8 Out
2018
Programa Antártico Brasileiro – PROANTAR
Prazo
9 Out
2018
Avaliação da Implementação da Rede de Cuidados...
Prazo
31 Out
2018
Prêmio Nacional de Jornalismo em Seguros - 2018
Prazo
23 Nov
2018
Chamada CNPq/SNSF
Prazo
28 Set
2018
Selo de Responsabilidade Cultural
Prazo
9 Nov
2018
Concurso de Cartazes para Dia Mundial da Alimentação...
Prazo
31 Dez
2018
Credenciamento de Artistas
Prazo
30 Set
2018
Fonds Baillet Latour
Prazo
30 Set
2018
UNESCO/Emir Jaber al-Ahmad al-Jaber al-Sabah Prize...
Prazo
30 Set
2018
V Concurso Literário Julio Salusse
Prazo
30 Set
2018
II Prêmio de Poesia SPA
Prazo
15 Out
2018
Prêmio INCM - Vasco Graça Moura
Prazo
15 Out
2018
3ª Edição Prêmio Kindle de Literatura
Prazo
1 Out
2018
CNPq-Prevfogo-Ibama- Pesquisas em ecologia, monitoramento...
Prazo
1 Out
2018
MCTIC-SEPED/CNPq – Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação...
Prazo
5 Out
2018
CNPq-MCTIC -Meninas nas Ciências Exatas, Engenharias...
Prazo
30 Set
2018
Edital IberCultura Viva para Apoio de Redes e Projetos...
Prazo
10 Out
2018
CNPQ-MCTIC-SETEC -Programa para Concessão de Bônus...
Prazo
30 Jun
2019
Chamada Pública Bilateral FINEP-CDTI para projetos...
Prazo
21 Mar
2019
Seleção de Projetos Esportivos - Lei de Incentivo
Prazo
Contínuo
Revista Científica de Direitos Humanos - Submissão...
Prazo
4 Out
2018
Chamada Pública MCTIC/FINEP/CT-INFRA – Campi universitários...
Prazo
16 Out
2018
SENASP – Ação 8855 – Segurança Pública Nos...
Prazo
21 Set
2019
Crédito De Pesquisa Para Comitês Técnico-Científicos
Prazo
15 Dez
2018
The Awesome Foundation - Awesome Disability
Prazo
28 Set
2018
Eventos Científicos
Prazo
Contínuo
Chamada Pública ANCINE-FSA - Coinvestimentos Regionais
Prazo
30 Set
2018
Her Abilities Award
Prazo
15 Out
2018
Human Rights Prize of the French Republic 2018
Prazo
31 Out
2018
Empowering People Award 2019
Prazo
Contínuo
Filiação ao Departamento de Informação Pública...
Prazo
2 Out
2018
Seleção de Boas Práticas na Temática Educação...

PARCEIROS VER TODOS