Como funcionam os Conselhos de Direitos?

Por: Instituto Filantropia
19 Dezembro 2013 - 22h55

Saiba como atuam os conselhos municipais da criança e do adolescente

Após 23 anos da criação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), a atuação dos Conselhos de Direito no país tornou-se importante ferramenta para fazer valer os preceitos da lei. Em entrevista à Revista Filantropia, Fábio Silvestre da Silva e Valdir Gugiel, presidente do CMDCA de São Paulo e conselheiro de Direito do CMDCA de São Paulo, respectivamente, falam sobre o papel desses conselhos e sobre a aplicação do ECA no dia a dia das organizações do país.

Revista Filantropia: Qual é o papel do CMDCA, exatamente?

Fábio Silvestre da Silva: O Conselho de Direitos é um órgão garantido pela Constituição Federal e regulamentado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei Federal 8.069/90) e tem como missão central a defesa da Doutrina de Proteção Integral e de cuidar com afinco e prioridade da Política de Proteção DCA. O Conselho é um Órgão Paritário (entre governo e Sociedade Civil, em números iguais) e, no Sistema de Garantia dos Direitos, tem papel fundamental no controle da efetivação das políticas voltadas para criança e o adolescente. Além disso, tem a responsabilidade legal de elaborar, deliberar, acompanhar e fiscalizar a Política da Proteção Integral de Criança e Adolescente nos três níveis de governo (Municipal, Estadual, Distrital e Federal). Cabe também a este órgão o diálogo coletivo, setorial, intersetorial, ministerial e ou intersecretarial, com o Poder Público e com a Sociedade Civil sobre a matéria acima mencionada.

RF: Há muita discrepância em termos de atuação do CMDCA nas diferentes regiões do Brasil?

Valdir Gugiel: O Brasil tem dimensões continentais e diferenças regionais, inclusive de entendimentos e prioridades. Como em todas as situações, há sim, infelizmente, uma discrepância na atuação, especialmente na priorização dada às políticas voltadas para crianças e adolescentes. Há um desconhecimento generalizado do Estatuto, mesmo após seus 23 anos de existência. Além da população em geral, em muitos municípios não há o reconhecimento do Poder Público (entendido aqui como Executivo, Legislativo e Judiciário), o que tem acarretado a lenta implementação do Estatuto. Em outros casos, temos conselhos atuantes que conseguem estabelecer as políticas públicas necessárias que atendem as demandas territorializadas das crianças e adolescentes.

RF: Como funciona o FUMCAD e qual é sua relação com o CMDCA?

FSS: Os Fundos da Criança e do Adolescente são mecanismos instituídos para reservar recursos voltados a programas e projetos de atenção aos direitos da criança e do adolescente para a proteção especial, conforme entendimento do ECA, na Política de Atendimento, que devem ser implementadas por meio de um conjunto articulado de ações governamentais e não-governamentais, todas deliberadas pelo Conselho Municipal DCA. Vale destacar que estes recursos são suplementares e devem atuar com excepcionalidade, ou seja, os Fundos são para atuar (financiar) programas e projetos inovadores que gerem impacto na melhoria da qualidade de vida desta população. A relação entre o FUMCAD e o CMDCA é estreita, uma vez que somente o CMDCA (Plenário) pode autorizar o uso de seus recursos do Fundo, isso mediante a um bom planejamento de ações e atividades, o que nós chamamos de Plano de Ação e de Aplicação do recurso.

Fale um pouco sobre a relação das ONGs com o CMDCA? Como é a atuação deles em conjunto?

VG: Cabe aos Conselhos de Direitos o papel de registrar Programas e emitir registros autorizativos de funcionamento das Organizações Sociais e nos programas do Poder Público que atuam com Crianças e Adolescentes no Município, Estado, Distrito Federal. Cabe ao CMDCA o papel de avaliação e monitoramento da eficácia e eficiência das políticas executadas pela sociedade e pelo Poder Público e Executivo. Assim, deve ser uma relação de confiança, com transparência e muito dialógica para que o interesse superior da criança e do adolescente seja plenamente atendido. Hoje a relação pode ser descrita como utilitária, na medida em que as organizações participam das atividades do CMDCA quando dizem respeito aos seus interesses de financiamento de projeto, afastando-se sempre que o assunto é relativo ao estabelecimento da política pública em si e o controle da efetividade da gestão do poder executivo. O entendimento do CMDCA é que esta relação não pode ser vista pelas organizações apenas como um balcão de transferência de recursos financeiros. Pelo contrário, deve-se buscar e analisar alternativas para ampla e estrategicamente cumprir seu papel dentro do Sistema de Garantia dos Direitos, estabelecido pelo Estatuto.

Como vocês analisam a aplicação do ECA no Brasil?

FSS: O ECA, como ficou conhecido, representa sem dúvidas um divisor de águas, principalmente por reconhecer crianças e adolescentes como sujeitos de direito e como prioridade absoluta nas políticas públicas. Vinte e três anos depois, é possível avaliar alguns avanços inegáveis na melhoria de qualidade de vida da população infanto-juvenil, como a redução da mortalidade infantil, a universalização do acesso à educação formal, a diminuição significativa do trabalho infantil, a normatização do trabalho do aprendiz, o alojamento conjunto de recém-nascidos e suas mães, a regulamentação da adoção e do sistema de medidas socioeducativas, a expansão dos Conselhos Tutelares e o fortalecimento do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA). No entanto, ainda são muitos os desafios para a garantia dos direitos de crianças, adolescentes e suas famílias, principalmente o acesso universal a políticas públicas de qualidade, que contemplem a superação das desigualdades e valorização da diversidade cultural, religiosa, geracional, de orientação sexual e de nacionalidade. Apesar do balanço positivo e alguns desafios, o ECA tem sido alvo de ameaças, muitas vezes motivadas pela falta de informação ou por distorções diversas, que apontam para um retrocesso em relação às conquistas históricas dos movimentos sociais e da sociedade civil organizada. É o caso, por exemplo, das manifestações contrárias à proibição dos castigos corporais e da proposta de redução da maioridade penal, sob a argumentação falaciosa de que o recrudescimento diminuiria a violência nos grandes centros urbanos. A efetiva implementação do Estatuto permanece, ainda hoje, como um desafio que só poderá ser superado por meio do diálogo e da articulação entre os componentes do Sistema de Garantia de Direitos e de uma coordenação sólida da política nacional para crianças e adolescentes.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.198
Oportunidades Cadastradas
9.566
Modelos de Documentos
3.061
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
16 Dez
2019
Bikeducação: Edital Itaú para Seleção de Projetos...
Prazo
16 Dez
2019
ONU / FIDA - Concurso de Fotografia “Juventude e...
Prazo
Contínuo
Fundo Regenerativo Brumadinho
Prazo
22 Dez
2019
UNDEF - 2019 Call to Civil Society to Apply for Funding...
Prazo
1 Jan
2020
Fundo Julia Taft para Refugiados
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
20 Jan
2020
United Nations Voluntary Trust Fund for Victims of...
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

PARCEIROS VER TODOS