Chegou a hora do consumidor-cidadão?

Por: Revista Filantropia
01 Janeiro 2010 - 00h00

A história da relação das marcas com o consumidor tem atravessado três fases distintas nos últimos 50 anos – passou de uma relação exclusivamente racional e funcional para, atualmente, uma de natureza ética e moral. Com essa transição, houve também uma transformação na abordagem do consumidor em relação às marcas: no passado, buscava-se apenas a satisfação das necessidades materiais específicas; hoje, buscam-se canais que preencham o indivíduo integralmente. Passa a ser fundamental conhecer bem o consumidor e manter um relacionamento consistente para permanecer no seu coração e na sua mente. Nasce a mobilização do consumidor como cidadão, já que este não apenas espera benefícios pessoais da sua relação com marcas e empresas, mas também a possibilidade de influenciar a vida cotidiana da comunidade onde mora pelo seu comportamento diante das empresas.

A razão

Inicialmente, a conexão apostou na razão: utilidade do produto, suas funções e características físicas, o quanto elas facilitavam a vida do indivíduo e atendiam suas necessidades concretas. Elementos que cimentaram a relevância dos produtos e a centralidade das marcas na vida pessoal do consumidor. Essa fase aconteceu junto à popularização do consumo de massa no início do século 20 e, principalmente, no pós-guerra. Assim, o carro e as marcas que os produziam se conectavam com o consumidor porque atendiam a necessidade de transporte rápido e eficiente e da perspectiva individual, sem se importar com outros atributos não racionais. A célebre máxima de Henry Ford, “cliente pode ter o carro da cor que quiser, contanto que seja preto”, dizia respeito ao suposto automático de que o principal fator relevante na relação marca/consumidor era o de atender a necessidade do cliente, dentro de uma equação custo-benefício razoável.

A afetiva

Na medida em que várias marcas passaram a competir para oferecer os mesmos produtos ao consumidor, dentro de uma mesma faixa de preço, características e/ou funções, os produtos se tornaram relativamente “commoditizados”, e a conexão com o consumidor ficou superficial; pior ainda, sob o risco de ser facilmente “sequestrada” por um concorrente com preço menor ou alguma função adicional. Nesse momento, muitas marcas partiram para uma conexão afetiva com o consumidor. Isso ocorreu nos anos 1960 e 1970, principalmente, dando lugar à onda emocional da relação marca/consumidor. Essa onda buscou o vínculo com base nas aspirações, valores e crenças do público. Surgem, assim, as marcas que apelam para a liberdade individual, a busca da felicidade e a satisfação imediata, ou que entregam segurança e status.

Ético-espiritual

Os desafios não pararam. O acirramento da concorrência junto ao processo de globalização e a crise ambiental e social do ano 2000 em diante deram lugar à terceira onda de conexão: a fase do vínculo ético-espiritual entre marcas e consumidores, na qual as primeiras buscam se posicionar como atores de comportamento exemplar, decente, em sintonia com a demanda, não por maior bem-estar físico ou afetivo, mas também pela moral das pessoas. Por outro lado, o indivíduo passou a exigir um papel mais abrangente das empresas devido à sua decepção com o desempenho do governo em áreas públicas, como, por exemplo, para lidar com problemas sociais, proteger os direitos da população e cuidar do meio ambiente.

Estudo recente realizado pela Market Analysis faz uma análise comparativa na qual os entrevistados se colocam como consumidores e cidadãos, e aponta o grau de concordância de como acreditam no seu poder de influenciar o governo e as empresas para que tenham uma postura responsável. Fica claro o nível de compreensão do consumidor quanto ao seu poder de influência, pois, em ambos os casos, a maioria se expressou de forma positiva: 73,7% e 70,2% para consumidor e cidadão, respectivamente.

Os dados apontam, portanto, para uma maioria de brasileiros (quase seis em cada dez) que se sentem autoconfiantes diante das corporações e do governo e encaram ambas as esferas não apenas como relevantes para suas vidas, mas também convidativas como áreas para expressar seus valores e moldar um modelo de sociedade mais alinhado com suas

expectativas.

Na medida em que o indivíduo reage com igual força diante de empresas e governo, pode se dizer que ele enxerga com igual importância seu papel como consumidor e cidadão. Mais ainda, essas funções ficam relacionadas e dependentes: sua vida como consumidor ultrapassa o simples ato da compra e de direitos à posse de um bem em troca de dinheiro, projetando uma preocupação pelos efeitos coletivos do consumo do produto adquirido e das ações da empresa que o fabrica. Por outro lado, a vida como cidadão passa a estar fortemente influenciada pela ética do consumo: o pagamento de impostos e a obediência às leis alimentam uma mentalidade de cobranças e exigências ao governo por serviços e resultados públicos de qualidade, assim como os indivíduos reagem quando compram produtos na loja. É a chegada do consumidor-cidadão.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
10.460
Oportunidades Cadastradas
8.193
Modelos de Documentos
2.283
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
19 Out
2018
Fomento à Pós-Graduação Stricto Sensu da UFFS
Prazo
19 Out
2018
Seleção de Entidades e Organizações da Sociedade...
Prazo
19 Out
2018
Seleção de organização da sociedade civil para...
Prazo
20 Out
2018
Edital - A ponte – Cena do Teatro Universitário
Prazo
22 Out
2018
WORLDLABS - Elevating Ideas Competition
Prazo
23 Out
2018
III Concurso de Crônicas Ivone dos Santos
Prazo
25 Out
2018
Concurso KOHQ 2
Prazo
25 Out
2018
Concurso Literário Benfazeja 2019
Prazo
26 Out
2018
Prêmio Brasil Ambiental
Prazo
28 Out
2018
Comitê de Zonas Úmidas
Prazo
30 Out
2018
Revista Poesia Agora
Prazo
30 Out
2018
23º Edital Cultura Inglesa
Prazo
30 Out
2018
Festival de Cinema Se Liga Aí
Prazo
31 Out
2018
International Photography Award 2018-2019
Prazo
31 Out
2018
Santa Cruz da Conceição: Cidade em Movimento
Prazo
31 Out
2018
Prêmio Livro-Reportagem Amazon
Prazo
31 Out
2018
Mahathir Science Award
Prazo
31 Out
2018
Cinema Sem Fronteiras 2019
Prazo
31 Out
2018
Prêmio Nacional de Jornalismo em Seguros - 2018
Prazo
31 Out
2018
Empowering People Award 2019
Prazo
9 Nov
2018
Concurso de Cartazes para Dia Mundial da Alimentação...
Prazo
20 Nov
2018
Virada Cultural 2019
Prazo
23 Nov
2018
Chamada CNPq/SNSF
Prazo
30 Nov
2018
Programa Selos Postais
Prazo
1 Dez
2018
The Prince Claus Fund 2nd Open Call: First Aid to Documentary...
Prazo
11 Dez
2018
Concurso Literário Prêmio Poesia Agora - Verão
Prazo
15 Dez
2018
The Awesome Foundation - Awesome Disability
Prazo
31 Dez
2018
Credenciamento de Artistas
Prazo
1 Jan
2019
Prêmio Arte Original Tordos Azuis
Prazo
19 Fev
2019
Programa de Apoio à Realização de Eventos Científicos...
Prazo
21 Mar
2019
Seleção de Projetos Esportivos - Lei de Incentivo
Prazo
30 Jun
2019
Chamada Pública Bilateral FINEP-CDTI para projetos...
Prazo
21 Set
2019
Crédito De Pesquisa Para Comitês Técnico-Científicos
Prazo
Contínuo
Leia para uma criança
Prazo
Contínuo
Revista Científica de Direitos Humanos - Submissão...
Prazo
Contínuo
Programa de Desenvolvimento Científico Regional –...
Prazo
Contínuo
Política de Patrocínios da CEMIG
Prazo
Contínuo
Chamada Pública ANCINE-FSA - Coinvestimentos Regionais
Prazo
Contínuo
Filiação ao Departamento de Informação Pública...

PARCEIROS VER TODOS