Até que ponto as organizações estão incorporando os indicadores de sustentabilidade?

Por: Instituto Filantropia
15 Abril 2013 - 19h36

Um levantamento realizado pela SustainAbility em conjunto com a rede GlobeScan de institutos de pesquisas, representada pela Market Analysis no Brasil, avaliou 108 instrumentos que ajudam a avaliar a performance em sustentabilidade no mundo

Em tempos de transparência radical, considerada uma das dez tendências-chave da sustentabilidade para a próxima década, sinalizar de forma clara e objetiva o desempenho corporativo em responsabilidade socioambiental é uma decisão impreterível. Tão importante quanto sistematizar sua medição é acompanhar o maior ou menor alinhamento das políticas sustentáveis da empresa com as expectativas e percepções dos stakeholders. Não surpreende, então, que, à medida que a sustentabilidade vai amadurecendo como integrante central à vida corporativa, surjam dezenas de indicadores visando apontar o estágio no qual se encontram as empresas. Mas até que ponto as organizações conseguem incorporar e fazer uso desses indicadores nas decisões corporativas?
Ferramentas para mensurar — e também para informar — o desempenho das empresas em termos de sustentabilidade parecem não faltar. Um levantamento realizado pela SustainAbility em conjunto com a rede GlobeScan de institutos de pesquisas, representada pela Market Analysis no Brasil, avaliou 108 instrumentos que ajudam a avaliar a performance em sustentabilidade no mundo — um número impressionante por si só, afinal, há dez anos existiam somente 21 deles. Os indicadores disponíveis são os mais variados: desde o pioneiro índice de sustentabilidade Dow Jones até os indicadores de manejo de emissões de carbono, como Carbon Disclosure Project, ou de identificação da governança socioambiental, como o do instituto Ethos e do GRI, passando por medidas mais setoriais, como o acesso a medicamentos desenvolvido pela Access to Medicine Foundation. Há também instrumentos mais abrangentes, como o ranking das empresas mais admiradas da revista Fortune, dentre muitos outros. Por outro lado, sabemos que apenas uma minoria do universo empresarial brasileiro se preocupa e consegue mensurar a percepção e o retorno dessas ações junto a seus stakeholders para embasar ações futuras1. Como entender o paradoxo de nos defrontarmos com um quadro de grande oferta, mas baixa demanda, em algo tão estratégico como diagnosticar o cenário de atuação?
Visando responder a essa e outras perguntas-chave, consultamos 850 stakeholders com experiência na área de sustentabilidade em 70 países. A primeira surpresa é que, apesar de estarem envolvidos no seu dia a dia com temas e políticas de sustentabilidade empresarial, seu grau de conhecimento dos indicadores de sustentabilidade se revelou bastante restrito2. Dentre os indicadores avaliados, somente três são conhecidos por pelo menos metade dos especialistas: o índice Dow Jones de sustentabilidade (o primeiro indicador de sustentabilidade desenvolvido), o Carbon Disclosure Project (um projeto que auxilia cidades e empresas a diagnosticar seu estágio ambiental e construir políticas de adaptação às mudanças climáticas) e o FTSE4Good Index (que mensura o desempenho de empresas em termos dos padrões mundiais de responsabilidade corporativa). São esses também os instrumentos que maior credibilidade possuem entre os experts da área, sendo o indicador de manejo de carbono o que obtém mais legitimidade entre esse público: 65% dos gestores confiam nessa ferramenta.
Mas nem todos os indicadores são tidos como críveis pelos stakeholders, e uma forma de entender essa percepção é por meio das instituições por trás desses indicadores. Os índices desenvolvidos por ONGs são os que obtêm maior credibilidade entre especialistas, como, por exemplo, o Guia de Eletrônicos Verdes, produzido pelo Greenpeace. Na segunda posição estão os rankings, como o Monitor de Sustentabilidade Corporativa, desenvolvido pelo instituto Market Analysis desde meados dos anos 2000, que apresenta as dez melhores e piores empresas em sustentabilidade no Brasil. Indicadores formados por empregados de empresas também conquistam credibilidade, a exemplo do ranking de melhores empresas para se trabalhar, desenvolvido pela Great Place to Work. E as medidas construídas por investidores e analistas, tais como o índice de Sustentabilidade Empresarial desenvolvido pela Bovespa, também inspiram confiança em um a cada três gestores. Indicadores formados por consumidores, jornalistas e pelo governo são os que obtêm a menor confiança.
Ainda que se tenha disponível uma grande variedade de instrumentos, tanto do tipo genérico quanto daqueles direcionados para setores da economia e aspectos específicos, o uso dessas ferramentas de avaliação e monitoramento é bastante restrito pelos gestores. Com efeito, um em cada três especialistas não acessa esse tipo de informação mais de uma vez por ano, e somente um em cada quatro utiliza mensalmente essas referências para seu trabalho. Na maioria das vezes, os indicadores são utilizados para ganhar inteligência para a empresa no desenvolvimento de políticas de sustentabilidade ou para buscar referências de benchmark. Por outro lado, um terço dos stakeholders ignora métricas e parâmetros de atuação para a tomada de decisões, e quase outros 30% só os consultam uma vez por ano. Surpreende, então, que os gestores encontrem dificuldades para saber onde estão parados?
Diante da multiplicidade de opções e da maior legitimidade que os indicadores vêm alcançando como ferramentas de avaliação e monitoramento, não há como supor que a baixa adoção desse tipo de referências seja fruto da escassez de meios de informação corporativa. Por outro lado, essa mesma diversidade e crescimento exponencial refletem o interesse e até a pressão da demanda por contar com formas práticas de diagnosticar e orientar as ações corporativas. Como entender, então, esse pendor pelo risco de caminhar às cegas na gestão da atuação sustentável de tantas empresas?
A tentação de lançar mão de respostas que contenham racionalizações de todo tipo é muito grande. “É porque os gestores de sustentabilidade carecem de tempo e recursos humanos.” “Sabemos que esse problema existe.” “É porque os gestores ainda desempenham um papel periférico nas grandes organizações.” Infelizmente, é verdade na maioria das corporações. Contudo, outra resposta parece mais potável, desta vez em formato de pergunta e sem aspirar a justificar as escolhas logicamente: “Por que deveria ser diferente?”. Afinal, sabemos, por exemplo, das ameaças das mudanças climáticas, suas causas e consequências, mas a vasta maioria dos governos, sociedades e empresas não consegue agir de forma diferente, nem sequer cumprir com os compromissos assumidos. A inércia pode, em definitiva, ser ubíqua.
Podemos superar essa inércia? É o que a história dos grandes escândalos corporativos em sustentabilidade dos últimos anos nos aconselha. A British Petroleum afundou sua imagem no acidente do Golfo do México por ignorar a informação de indicadores de performance. O Wal-Mart está se expondo a um novo questionamento ético após ter negligenciado seus próprios parâmetros de governança anticorrupção no México. A Nestlé ficou exposta por desatender suas referências internas de sustentabilidade na cadeia de valor ao comprar matéria-prima vinda de regiões de desmatamento ilegal na Indonésia. Em todos os casos, ferramentas indicativas e operacionais existiam, a informação circulava de maneira livre e formal, gestores operavam políticas corporativas calcadas em princípios sustentáveis, mas a inércia primou. O custo em receita, reputação e talentos perdidos pode até ser incalculável, mas a admissão desses prejuízos parece ser suficiente motivo para reconhecer o papel vital das métricas indicativas da posição de toda empresa diante do desafio da sustentabilidade.

1 “A hora de escutar os stakeholders”, Revista Ideia Sustentável, Setembro 2012.
2 Pesquisa “Rate the Raters 2012 – Polling the Experts” realizado pela SustainAbility e GlobeScan.

Referências institucionais confiáveis para considerar uma empresa como sustentável

Motivos e frequência de uso de indicadores de sustentabilidade corporativa

 

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

PARCEIROS VER TODOS