A obrigatoriedade do Conselho Fiscal

Por: Sergio Contente
01 Julho 2012 - 00h00
Toda pessoa jurídica do tipo associação ou organização religiosa, de natureza beneficente e assistencial, com caráter educacional, de assistência à saúde e/ou de assistência social sem fins lucrativos deve ter necessariamente um órgão denominado Conselho Fiscal (CF) ou Conselho para Assuntos Econômicos e Fiscais (CAEF). O estatuto social dessa pessoa jurídica deve atribuir ao órgão sua competência com muita clareza e precisão.
O CF ou CAEF é constituído de, no mínimo, três membros titulares, podendo ter membros suplentes. É constituído por membros, pessoas físicas, designados como conselheiros (as), que serão representativos de todos os setores e atividades da entidade beneficente de assistência social.
E por que são representativos dos setores de atividades da entidade beneficente? Porque esses conselheiros poderão assessorar os demais órgãos da instituição com melhor precisão, capacitação e objetividade, em especial seus dirigentes, no atendimento de suas finalidades institucionais. Como exemplo, uma entidade educacional terá conselheiros com conhecimentos de administração escolar, orientação pedagógica, orientação educacional etc; uma entidade de assistência à saúde terá conselheiros com formação na área da saúde, e instituições da área de assistência social receberão pessoas graduadas em serviço social, psicólogos e outros. Entretanto, é fundamental que um contador sempre participe do CF ou do CAEF e, ainda, tenham pessoas com conhecimento de administração, finanças e direito.
As atribuições do conselho serão maiores do que apenas ser um conselho fiscal. Entretanto, tudo depende do estatuto social e das atribuições tanto do CF como do CAEF. Ao CAEF, além das competências já mencionadas, caberá fiscalizar todos os atos administrativos da entidade; analisar a contabilidade da instituição, bem como assessorar seus gestores no atendimento das finalidades estatutárias.
Sugere-se a seguinte redação estatutária quanto à competência do CAEF: Art. ___ - Compete ao Conselho para Assuntos Econômicos e Fiscais (CAEF): I - analisar e dar parecer à diretoria sobre o balanço patrimonial e demais peças contábeis; II - dar parecer à diretoria ou à assembleia geral, quando solicitado ou quando julgue oportuno e necessário, sobre assuntos econômicos, financeiros, administrativos, patrimoniais, contábeis e jurídicos; III - zelar para que sejam devidamente conservados em arquivos organizados os documentos contábeis, fiscais e patrimoniais da Entidade.
O superávit ou o déficit para ser absorvido pelo patrimônio social deve antes ser apreciado pelo CF ou CAEF, devidamente aprovado e autorizado pela assembleia geral.
Em conclusão, é imprescindível que todas as entidades beneficentes de assistência social tenham organizado o CF ou CAEF. Estes órgãos, anualmente, devem apresentar o seu parecer à assembleia geral, à diretoria e a outros órgãos que o estatuto venha a prever sobre o balanço patrimonial e demais demonstrações contábeis. Também, estes órgãos podem se manifestar sobre a gestão e a aplicação dos recursos, quando necessário, na defesa dos interesses da entidade beneficente de assistência social.

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book Como começar uma⠀ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book 18 PASSOS essenciais para ajudar sua ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

PARCEIROS VER TODOS