Marupaúba

Assistência & Serviço Social
Por: Maria Theodora Paiva de Barros
09 Junho 2016 - 04h47

 

A história que não foi contada

Esta pesquisa foi realizada no Pará, com o intuito de subsidiar a Rede Associacional de Defesa de Direitos local, e trata da história de Marupaúba, comunidade de Tomé- Açu, para identificar a presença de afrodescendentes na região com o objetivo de subsidiar o trabalho de autorreconhecimento do movimento negro. Na referida região existe uma população afrodescendente que reside no local há mais de 150 anos e cujos ancestrais eram negros que vieram da África para serem escravizados no Brasil, porém até o momento não se tem referência na história de como se estabeleceram por ali. O estudo que apontou para a existência de quatro irmãos oriundos da África e que deram origem à população que hoje vive em Marupaúba foi referenciado no tempo e no espaço como uma pesquisa histórica, além de terem sido feitas perguntas abertas e visitas a alguns sítios arqueológicos, cemitério etc.

No Brasil, encontram-se afrodescendentes do Oiapoque ao Chuí. A colonização impetrada pelos portugueses espalhou a população negra por todo o país. No estado do Pará somente no século XVIII a mão de obra escrava foi introduzida. A introdução do trabalho exógeno sob regime de escravidão ocorreu com mais evidência na região depois de 1755, quando houve a libertação dos indígenas e a necessidade de substituição...