Minha entidade possui mais de uma área de atuação assistencial, como devo proceder com o pedido de concessão originária da CEBAS?

Por: Instituto Filantropia
11 Novembro 2014 - 00h25


R: De acordo com o artigo 10º do Decreto nº 8.242, de 2014, a entidade que atuar em mais de uma área assistencial deverá protocolar o pedido de concessão no Ministério que corresponde a sua área de atuação predominante; contudo, deverá comprovar ao Ministério que corresponde a sua outra área de atuação que preenche os requisitos necessários para a certificação.

Conteúdo Relacionado

  • 4 - Minha associação é mantenedora de uma faculdade e foi acionada na Justiça do Trabalho por um ex-empregado que ocupava o cargo de advogado. Ele pleiteia direitos e alega que sua rescisão deveria ter sido homologada no Sindicatos dos Advogados. Isso está correto?
  • 3 - Quais são os efeitos do acórdão exarado na ADI nº 2.028 às entidades sem fins lucrativos?
  • 2 - Quais seriam os requisitos para que minha instituição seja certificada como entidade beneficente na área da saúde e, assim, obtenha isenção da quota patronal?
  • 1 - A conta bancária de minha associação teve valores bloqueados em razão de uma decisão judicial para cobrança de IPTU. O valor bloqueado é utilizado para pagamento dos salários dos colaboradores. Isso está correto?
  • As entidades sem fins lucrativos estão qualificadas para formação técnico-profissional metódica? Elas estão obrigadas na contratação de aprendizes?
  • Sou dirigente de uma entidade que promove ações e serviços voltados à Promoção da Saúde. Gostaria de saber como proceder para comprovar a condição de beneficente visando à obtenção do Cebas?
  • Com a promulgação da Lei n.º 13.019/2014, como será realizada a prestação de contas por uma organização da sociedade civil que celebrar uma parceria com a Administração Pública por período superior a 12 meses?
  • A quem compete representar junto ao ministério competente quando se verifica irregularidades nas entidades certificadas pela Lei n.º 12.101/2009?
  • Uma entidade beneficente é obrigada a instituir um Programa de Participação nos Lucros e Resultados (PPLR)?