Afilie-se gratuitamente à Rede Filantropia

Receba conteúdo de gestão, agenda de eventos e notícias do Terceiro Setor

Cadastre-se gratuitamente

Faça seu LOGIN na Rede Filantropia.

Perfil ideal de conselheiros em organizações do Terceiro Setor

Geral
Por: Roberto Cintra Leite
01 Maio 2005 - 00h00

É de conhecimento geral que o funcionamento adequado de um conselho de administração em organizações de benemerência precisa de profissionais de renome no mercado para bem representar a entidade. Contudo, hoje só isso não basta. São necessários conselheiros realmente envolvidos com a instituição, dispostos a contribuir de forma inequívoca e transparente ao mercado.

Perfil antigo

Atualmente, o que mais prevalece nas organizações é o perfil antigo, de indivíduos que simplesmente “emprestam” seu nome para, na verdade, ganhar mais prestígio social do que realmente servir a instituição. Anos atrás, o que mais interessava aos voluntários era a integridade pessoal e a reputação ilibada, embora esse critério continue válido hoje e sempre.

Novo perfil

É fundamental que o conselheiro tenha um perfil psicológico adaptado ao tipo de entidade. Por isso, o recrutamento e a seleção dos profissionais devem ser definidos pelos atuais conselheiros, para que os futuros membros estejam alinhados à organização. A motivação pelas atividades da instituição ainda é o principal fator de decisão ao se abraçar uma causa, mesmo porque os trabalhos serão desenvolvidos sem nenhuma remuneração – a não ser em institutos ou Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscips), nas quais é permitida a remuneração pelos serviços prestados.

A entidade tem de buscar meios para atrair a atenção e o interesse dos...

PARCEIROS VER TODOS